SEGUIDORES DO BLOG




CALENDÁRIO NEGRO - MARÇO

1 – Nasce Ralph (Waldo) Ellison professor e escritor norte-americano, ganhou eminência com seu primeiro romance, “O Homem Invisível”, de 1952 (1913-1994)

2 – Ocorre o primeiro carnaval oficial de escolas de samba do Rio de Janeiro, RJ (1935)
2 – Dia da Mulher Angolana
2 – Aprovada lei proibindo o tráfico de escravos africanos nos Estados Unidos (1807)
2 – Festa Nacional de Marrocos (1956)
3 – O paulista Domingos Jorge Velho assina em Pernambuco, com o governador da capitania, o contrato mediante o qual se dispunha a destruir o Quilombo dos Palmares (1687)
3 – Publicado alvará pelo qual os negros dos quilombos, toda vez que fossem aprisionados, para ser restituídos aos donos deviam ser marcados na espádua com um "F" por meio de ferro em brasa (1741)
3 – Em discurso, o presidente da Bahia, Francisco de Souza Martins afirmou que era necessário "fazer sair do território brasileiro todos os libertos africanos perigosos à nossa tranquilidade" (1835)
3 – Inauguração na cidade do Rio de Janeiro, da Avenida dos Desfiles, popularmente chamada de Sambódromo, hoje por lei denominada Passarela do Samba (1984)
3 – Nasce no Rio de Janeiro o cantor e compositor Jards Anet da Silva - Jards Macalé (1943)

3 – Nasce Jackie Joyner-Kersee, atleta estadunidense, considerada por muitos como a maior atleta feminina da história (1962)

4 – É deferido pela Regência o pedido de deportação dos africanos libertos envolvidos na Revolta dos Africanos ou Revolta dos Malês na noite de 24 e 25 de janeiro (1835).
4 – Nasce em Township, África do Sul, a cantora Mirian Makeba (1934)
5 – Fundação, em Salvador (BA) do Olori Afoxé (1981)

5 – Nasce Chiwoniso Maraire, cantora do Zimbabwe (1976-2013)

6 – Independência de Gana, primeiro país da África Negra a tornar-se independente (1957)
6 – Abolição da escravatura no Equador (1854)
7 – Grande marcha pelos direitos civis, de Selma à Montgomery, liderada por Martin Luther King Jr. (1963)
8 – Nasce no bairro de Periperi, Salvador (BA), o Bloco-Afro Ara Ketu (1980)
8 – Aprovada, na África do Sul a nova Constituição, que aboliu oficialmente o apartheid, regime racista dominado pela minoria branca (1996)

8 – Nasce Neusa Borges, atriz (1941)
9 – Nasce, na cidade de Recife (PE) o cantor e compositor José Bezerra da Silva - Bezerra da Silva (1938)
9 – Nasce, no bairro do Andaraí, Rio de Janeiro, a bailarina Isaura de Assis (1942)
9 – Nasce, em Colina (SP), o poeta Paulo Eduardo de Oliveira, Paulo Colina. Publicou "Fogo Cruzado", "Senta que o Dragão é Manso", participou também da "Antologia Contemporânea da Poesia Negra Brasileira" e "Cadernos Negros" (1950)
9 – Realiza-se, em Petrópolis (RJ), o I Encontro de Franciscanos Negros (1988)
10 – Nasce, em Tubarão (SC), Apolinária Mathias Batista - Mãe Apolinária, fundadora da "Sociedade Caboclos Amigos" em Porto Alegre (RS) (1912)
11 – Nasce, na Praça Mauá (RJ), a atriz Léa Garcia (1933)
12 – Independência das Ilhas Maurício (1968)

13 – Nasce Iziane Castro Marques, jogadora de basquete brasileira (1982)
14 – Nasce na Fazenda Cabaceiras, município de Muritiba (BA), Antônio de Castro Alves, o "poeta dos escravos". É um dos poetas mais populares do país, autor de "Vozes d'África, "Navio Negreiro", "A Cachoeira de Paulo Afonso", "Saudação aos Palmares", "Adormecida" e outros (1847)
14 – Nasce, em Juiz de Fora (MG) o cantor e compositor Sinval Machado da Silva, Sinval Silva, o compositor predileto de Carmem Miranda (1906)
14 – Nasce, em Franca, São Paulo, o artista e político Abdias Nascimento, fundador do TEN – Teatro Experimental do Negro (1914)
14 – Nasce, em Sacramento, Minas Gerais, a escritora Carolina Maria de Jesus, autora de "Quarto de Despejo" (1914)
14 – É lançado em Salvador, Bahia, o jornal O Abolicionista (1871)
14 – Realiza-se, em São Paulo, o I Encontro dos Agentes da Pastoral Negros (1983)

15 – Nasce Cecil Taylor, músico e compositor estadunidense, foi o pianista mais importante do free-jazz (1929)

16 – Surge nos Estados Unidos o Freedom's Journal, o primeiro jornal com temática negra da América (1827)
16 – Nasce em Japaratuba (SE), o artista plástico, Arthur Bispo do Rosário (1911)
16 – Nasce em Montgomery, Alabama, (EUA), o cantor e pianista Nahaniel Adams Coles - Nat King Cole (1919)

17 – Nasce Nathaniel Adams Coles, Nat “King” Cole, um dos mais importantes pianistas de jazz, cantor e compositor do século XX (1919-1965)

18 – Nasce Queen Latifah, cantora, rapper, atriz, compositora, modelo, produtora musical, comediante e apresentadora estadunidense (1970)

18 – Nasce Vanessa Lyn Williams, cantora, atriz e compositora estadunidense, famosa por ter sido a primeira Miss America Negra, em 1983 (1963)

19 – Nasce, em Pateoba (BA), o cantor e compositor José de Assis Valente, autor de inúmeros sucessos como: "Camisa Listada", "Boas Festas" e do samba antológico "Brasil Pandeiro" (1908)
19 – Inicia-se o I Encontro Estadual de Conscientização e Cidadania Negra, no Estado do Rio de Janeiro (1988)
20 – Nasce, no Rio de Janeiro, o ator e cantor lírico, Manuel Claudiano Filho - Claudiano Zani (1926)
21 – Nasce, no Rio de Janeiro (RJ), o radialista, humorista, cronista e compositor Haroldo Barbosa (1915)
21 – Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial
21 – Independência da Etiópia (1975)
21 – A polícia sul-africana atira contra um cortejo fúnebre de quinhentas pessoas no bairro negro de Langa, na periferia da cidade de Uitenhage, matando 21 manifestantes. O dia ficou conhecido como "Quinta-feira Sangrenta" (1985)
21 – Independência da Namíbia (1990)
21 – Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, em memória das vítimas do massacre de Shapeville, na África do Sul (1960)
21 – Zumbi dos Palmares é incluído na galeria dos heróis nacionais (1997)
22 – O explorador negro Alonso Pietro se incorpora à expedição de Cristóvão Colombo (1492)
22 – Nasce em Madureira (RJ), o cantor e compositor Jorge Duílio Lima Menezes - Jorge Benjor, autor de "Chove Chuva", "Cadê Teresa", "África-Brasil (Zumbi)", "País Tropical", "Que Maravilha", entre outros sucessos (1944)
23 – Abolição da escravidão em Porto Rico (1873)

24 - É oficializada a abolição da escravatura na Venezuela (1854)
25 – Proclamação nesta data da libertação final de todos os escravos existentes na Província do Ceará (1884)
25 – Nasce, em Detroit, Michigan Estados Unidos, a cantora Aretha Franklin (1942)
25 – Criação, no Rio de Janeiro do jornal A Voz do Morro (1935)
25 – Nasce Aristides Barbosa, jornalista, educador e ex-militante da Frente Negra (1920)

26 – Nasce Diana Ross, cantora e atriz estadunidense, foi a líder do grupo musical "The Supremes” (1944)

27 – Nasce, numa família de músicos e artistas de Newark, Nova Jersey (EUA), a cantora de jazz, Sarah Louis Vaughan - Sarah Vaughan (1924)

27 – Nasce Luiza Helena de Bairros, socióloga, ativista do do Movimento Negro Unificado e feminista negra (1953)
28 – Nasce, em Cabo Frio (RJ), Antônio Gonçalves Teixeira e Souza, considerado um dos precursores do romantismo e autor do primeiro romance brasileiro: "O Filho do Pescador" (1843)
28 – Fundação, em Pelotas (RS) do Clube Abolicionista (1884)

29 – Nasce Lee ("Scratch") Perry, compositor, cantor e DJ jamaicano, um dos nomes mais destacados da música reggae (1936)

30 – Os homens afro-americanos conquistam direito ao voto nos EUA (1870)

30 – Nasce Maria Bibiana do Espírito Santo, Mãe Senhora, ialorixá do Ilê Axé Opô Afonjá (1900)
31 – Fundação, em Campos, Rio de Janeiro, da Sociedade Emancipadora Campista (1870)

.

Pesquisa personalizada

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Sarau Bem Black recebe Michel Ceríaco e Raquel Almeida - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

Exibição do filme "Jardim das folhas Sagradas", seguido de debate - BA

Profº Ricardo Carvalho atráves do Cine Unijorge e Grupo Humanas convida educadores para sessão especial do filme de Pola Ribeiro: Jardim Das Folhas Sagradas, vamos todos, o filme retrata a questão do meio ambiente, preconceito racial e intolerância religiosa. 
Cine Unijorge, Shopping Itaigara.
Dia 09/11 ás 20hs.

31 de Outubro dia Saci Pererê!!!

Em 2005, foi instituído o Dia do Saci no Brasil, comemorado no dia 31 de outubro, a fim de restaurar as figuras do folclore brasileiro, em contraposição ao Halloween.

A mitologia Africana o transformou em um negrinho que perdeu uma perna lutando capoeira, sendo esta a imagem que prevalece nos dias de hoje. Ele herdou também da cultura africana, o pito, uma espécie de cachimbo. A função desta "divindade" era o controle, sabedoria e manuseios de tudo que estava relacionado às plantas medicinais, como guardião das sabedorias e técnicas de preparo e uso de chá, beberagens e outros medicamentos feitos a partir de plantas.

Vale lembrar que o Saci Pereré NÃO foi criado pelo Monteiro Lobato, ele apenas pesquisou sobre o mito e recriou em sua historias 1917, assim como o Ziraldo levou o Saci Pereré para os QH em 1958, ou seja, o Saci é nosso!

FONTE: Andréa Chaves, no Facebok

domingo, 30 de outubro de 2011

Filme de Quinta apresenta "Gênios da raça" - AL

Gênios da Raça é a programação do mês de novembro do Filme de Quinta em homenagem ao mês da Consciência Negra. Como afirmara Darcy Ribeiro “A luta mais árdua do negro africano e de seus descendentes brasileiros foi – e ainda é – a conquista de um lugar e de um papel de participante legítimo na sociedade nacional” projetaremos os negros brasileiros que tiveram suas vidas abordadas em projetos filmíficos enquanto protagonistas de suas histórias pessoais e que contribuíram para o sentimento de pertencimento do povo brasileiro.

Garrincha – Alegria do Povo
70 min, 1962, Documentário
Direção: Joaquim Pedro de Andrade

Perfil do mais famoso ponta-direita do futebol brasileiro quando estava no auge da carreira. Foi o primeiro documentário brasileiro sobre um esportista, mostrando cenas clássicas das Copas do Mundo de 1958 e 1962.
O filme recebeu o Prêmio Carlos Alberto Chieza no Festival de Cortina D'Ampezzo, na Itália, em 1964.

Filme de Quinta

Filme de Quinta é uma realização de Ernani Viana Projetos Culturais, Barracão Cine Clube e SESC-AL e conta com a parceria do CEPA Quilombo, Fundação Municipal de Ação Cultural da Cidade de Maceió, DITEAL, Ideário, Boca da Noite Cinema e Vídeo, Saudáveis Subversivos e Programadora Brasil.

Serviço
Gênios da Raça - Filme de Quinta
Garrincha – Alegria do Povo
Local: Mirante Cultural – “Um Quilombo Chamado Jacintinho” no Mirante Kátia Assunção localizado no bairro Jacintinho (por trás da rádio 96 FM).
Horário: 20h
Entrada Franca!
Mais Informações: 8878 1465 / 9119 0242

www.cinefilmedequinta.blogspot.com

Péssima notícia

        O prefeito do Rio, Eduardo Paes, sancionou no último dia 19, uma lei que institui o ensino religioso opcional nas escolas públicas municipais para os alunos do 1º ao 9º ano do ensino fundamental. A iniciativa é inédita no país.
        Esta é uma péssima notícia. Vai na contramão do princípio republicano de separação entre Estado e religião. As crenças religiosas devem ser assunto estritamente privado. A transmissão de seus valores/rituais não poderia invadir o espaço público, ficando circunscrita às famílias, templos e/ou congêneres e escolas confessionais. O financiamento dessas atividades jamais deveria vir dos cofres públicos, que, no Rio, mal conseguem pagar decentemente os professores já contratados.
        É interessante observar que um dos grupos que mais têm crescido nas pesquisas do IBGE é o dos ateus e sem religião. Nos anos 1960, mal atingiam 0,5% da população do país. Em 2009, ano do último levantamento do IBGE, pularam para 6,7% (13 vezes mais). No Rio de Janeiro, 16% dos pesquisados se declararam sem religião, uma das maiores taxas do país.  
        Num país como o nosso, onde convivem ateus e pessoas ligadas às mais diversas religiões, a laicidade do Estado deveria ser a garantia de tratamento igual para todos os cidadãos. Infelizmente, temos maus precedentes. Depois de mais de 120 anos de opção pelo Estado laico, ainda vemos símbolos religiosos nas dependências de prédios públicos. Um constrangimento inaceitável para os que frequentam esses lugares, que deveria ser de todos e não apenas expositores de uma denominação religiosa.
        Que não se diga que o ensino religioso cultivará bons valores. Em primeiro lugar, não existe nenhuma garantia neste sentido. Em segundo, uma breve olhada na História e se perceberá como as religiões provocaram diretamente ou ajudaram por omissão/apoio espiritual atrocidades de todos os tipos e atentados violentos contra os direitos humanos mais elementares.
        No Brasil em geral, e no Rio de Janeiro em particular, há  fatores objetivos que contraindicariam o ensino religioso nas escolas públicas. Dizer que o caráter facultativo deste ensino garantiria o respeito às diferenças é uma perigosa ilusão. É fácil imaginar a discriminação que sofreriam os que optassem por não frequentar essas aulas. Além disso, com a flagrante deficiência fiscalizadora das secretarias de educação, é mais do que provável que as escolas públicas se transformarão, a curto prazo, em centros de doutrinação de grupos que costumam ser tratados a pão-de-ló por todos os governos. Basta ver as campanhas eleitorais, quando candidatos cortejam, não raro cinicamente, movimentos e grupos religiosos, à cata de votos.
        A iniciativa da prefeitura do Rio é antirrepublicana e, como tal, deve ser amplamente denunciada.

Diretoria da ASA – Associação Scholem Aleichem de Cultura e Recreação
28 de outubro de 2011

sábado, 29 de outubro de 2011

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Lançamento do livro "Entre Brasil e África", da Dra. Petronilha -RS

 (Clique na imagem para ampliá-la)

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

POLIS/UFAM promove "V Ciclo de Palestras sobre Cultura Afrobrasileira" - AM

O V Ciclo de Palestras sobre Cultura Afrobrasileira faz parte das atividades do Núcleo de Pesquisa em Política, Instituições e Práticas Sociais (POLIS) vinculado ao Departamento de História (UFAM). Ao longo destes anos, com o apoio sistemático da PROEXTI. o Ciclo se institucionalizou como evento permanente do POLIS e sua mais relevante contribuição para as atividades do Mês da Consciência Negra em Manaus.
A temática desta edição reitera a importância de reposicionar a Amazônia no mapa da diáspora como um destino relevante para as populações africanas e, até aqui, muito pouco explorado. A proposta é ampliar o debate historiográfico sem perder de vista os impactos destas discussões no cotidiano escolar, seja na formação continuada de professores seja na atuação em sala de aula para cumprimento da Lei n.º 10.639. Também continuamos empenhados em entusiasmar novos pesquisadores comprometidos com a produção do conhecimento sobre as trajetórias históricas das populações africanas e afro-descendentes no Brasil e na Amazônia.
Com sua realização, o V Ciclo de Palestras pretende contribuir para o fim do preconceito, da discriminação e da invisibilidade das populações africanas e afro-descendentes na Amazônia. Por fim, é preciso registrar que esta quinta edição possui um importante diferencial: o lançamento do livro O fim do silêncio: presença negra na Amazônia, publicação coletiva de pesquisadores vinculados ao POLIS, parceiros de trabalho da UFAM e de outras instituições de pesquisa e de ensino superior.  È o resultado concreto de nosso empenho e de nossos esforços de investigação.
  
PROGRAMAÇÃO

Dia 27 de novembro de 2011 – 18:30 h
Abertura: Noite de Autógrafos e lançamento do Livro O fim do silêncio: presença negra na Amazônia
Visita à Mostra Negros, corpos e almas
Local: Museu Amazônico – Rua Ramos Ferreira, 1036 - Centro

28 de novembro de 2011 – 16 h
Conferência Sons de tambores: o ensino de História da África e dos africanos na formação de professores e pesquisadores no Brasil
Profª Drª Mônica Lima e Souza ( UFRJ)
Local: Auditório Rio Negro – ICHL – UFAM

29 de novembro de 2011 – 16 h
Conferência O tráfico de escravos entre África e o Pará-Maranhão (1755-1846): novos dados,novo olhar.
Prof.º Dr.º Didier Lahon ( UFPA)
Local: Auditório Rio Negro – ICHL – UFAM

30 de novembro de 2011 – 18 às 20 h
Encerramento: Tacacá na Bossa
Sessão Especial de lançamento do livro O fim do silêncio: presença negra na Amazônia com a presença dos autores e convidados.
Participações Especiais:
Grupo Matumbé Capoeira
Tambor de Crioula Punga Baré
Maracatu Eco da Sampopema
Cabanos
Bateria da Vitória Régia

Local: Largo de São Sebastião, Centro.

"Cala boca, besta" - Sobre a violência contra a cantora e atriz Thalma de Freitas




Cala boca, besta

por Wander Lourenço*


Jornal do Brasil – 25/10/2011 - 22h01


Até quando iremos tolerar a desconfiança contra cidadãos negros ou mestiços por parte de uma visão elitista e conservadora, provinda dos longínquos tempos da escravatura, ao compactuarmos com uma conduta execrável e abjeta, que interpreta pela cor da pele o tratamento a ser direcionado pelo algoz ao réu?





Ao assistir, estupefato, ao episódio vivenciado pela cantora do conjunto Orquestra Imperial, Thalma de Freitas, no noticiário televisivo, lembrei-me de que, habitualmente, parte da população brasileira se refere aos policiais militares como capitães do mato, por estes se dedicarem à captura de marginais homiziados em quilombos/favelas.Em alusão aos negros e mestiços que serviam aos senhores de engenho, em busca de consideração e recompensas pecuniárias, os caçadores de escravos aprisionavam os negros fujões e os arrastavam até a senzala, a fim de que se preservasse a ordem e a propriedade.Ao descer as ladeiras do Morro do Vidigal, a talentosa artista negra fora abordada por sujeitos fardados possivelmente em sua maioria pertencentes aos mesmos traços e padrões étnicos, que desconfiaram não só de sua procedência; mas, sobretudo, de sua origem racial porque, de acordo com depoimento da vítima, havia no local uma jovem branca que os homens da lei sequer ousaram suspeitar ou pôr em revista.




No romance histórico intitulado O sonho do Celta, Mario Vargas Llosa retrata uma identificação nominal destinada aos indígenas peruanos "castelhanizados", responsáveis pela vigília e aplicação dos castigos ou mutilações nos selvagens recrutados em "correrias" – leia-se, caçadas que sequestravam homens, mulheres e crianças –, para labutação nos seringais amazônicos no início do século 20 – racionais. Sim, alcunhavam desta propícia maneira os silvícolas ameríndios evangelizados e, por conseguinte, aptos a colaborar com os métodos de exploração impostos pelos europeus desbravadores da Floresta Amazônica. Em retorno ao ofício dos capitães do mato ou indígenas racionais, poder-se-ia concluir que os soldados que detiveram a promissora Thelma de Freitas o fizeram por preconceito étnico ou por uma espécie de revanchismo paradoxalmente contra a própria raça negra? Uma vez que disfarçados de uma autoridade onipresente, os policiais militares se sentiriam no pleno dever de descontar as atrocidades e injustiças antepassadas, que povoaram as suas existências abalroadas de recordações de uma pobre infância de subúrbio ou favela?




Ao que parece o ódio da abominação oriunda de um remoto período de humilhação ainda não foi cicatrizado; entretanto, quando se utilizaram da força bélica de um fuzil ou metralhadora para obrigar uma pessoa pública ao constrangimento de acompanhá-los, dentro de uma suposta legalidade, até a delegacia mais próxima para revista feminina, não imaginavam que a coragem desta mulher negra iria impulsioná-la a denunciar, diante das câmeras em rede nacional, a recorrente prática de desrespeito a que estes incautos guardiões da moral e dos bons costumes estão afeitos a impunemente lidar com os habitantes da cidade do Rio de Janeiro.Quantos de nós já presenciamos, em blitz, as tais abordagens a negros e mulatos, protagonizadas por membros da guarda estadual da mesma origem racial dos suspeitos incriminados por uma desprezível atitude de autoritarismo diante de um suposto delito de nascença – a negritude ou mestiçagem? Quantos cidadãos anônimos sofrem, cotidianamente, em aterrorizante lei do silêncio, com o abuso de autoridade destes impetuosos cães de guarda mal treinados, que se travestem de capitães do mato ou racionais para, sem educação nem princípios, insultarem o direito de cidadania dos milhares de centenas de trabalhadores fluminenses – frutos da tão decantada miscigenação pátria?




A repulsa da esdrúxula situação impele ao atroz descaso com o ser humano por intermédio do assassínio de sua integridade física e moral, mutilada por irresponsáveis ações já corriqueiras de pessoas detentoras de um direito de ir e vir castrado por um ímpeto de aberrante desobediência constitucional.Até quando iremos tolerar a desconfiança contra cidadãos negros ou mestiços por parte de uma visão elitista e conservadora, provinda dos longínquos tempos da escravatura, ao compactuarmos com uma conduta execrável e abjeta, que interpreta pela cor da pele o tratamento a ser direcionado pelo algoz ao réu? Que não cessem os questionamentos de ordem intelectual mediante mordaz hipocrisia, que marginaliza pelo olhar do inquisidor a serviço da opressão, que aprisiona pelo ato de vil julgamento étnico e que condena pela antilei professada pela discriminação racial.




Para ilustrar o entrevero entre a atriz Thalma de Freitas e os policias militares do Vidigal, quiçá em descabido e secular revanchismo, reporto-me ao livro Memórias póstumas de Brás Cubas, publicado em 1881. Em criança, Brás Cubas fazia o escravo Prudêncio de negro de montaria, com arreios e chicote; e, quando o preto reclamava dos maus-tratos impostos, o sinhozinho branco o repelia com um providencial e supremo: “Cala boca, besta!...”. Anos depois, o memorialista deparou-se com uma curiosa cena em que um homem de cor alforriado humilhava em praça pública, com xingamentos e ameaças, um seu negro cativo, indulgente e beberrão. Entrementes, qual não foi a sua surpresa quando reconheceu o seu antigo animal de montaria de outrora na figura daquele que o parafraseava, pois que o velho e bom Prudêncio, ao retorquir as reclamações do pobre diabo que, aos bofetões e impropérios, era castigado, soberbo e majestoso, obtemperava: “Cala boca, besta!...”.





* Wander Lourenço de Oliveira, doutor em letras, é professor da Universidade Estácio e autor dos livros ‘Com licença, senhoritas (A prostituição no romance brasileiro do século 19)’ e de ‘O enigma Diadorim’.  
FONTE: Memorial Lélia Gonzalez

Fundação Cultural Palmares promove Ciclo de Palestras

Na próxima quarta-feira (26), começará o Ciclo de Palestras Cultura Afro-brasileira: nosso patrimônio. O evento é uma iniciativa da Fundação Cultural Palmares em comemoração ao Ano Internacional dos Povos Afrodescendentes e ao Dia da Consciência Negra e será realizado nos meses de outubro e novembro em São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Brasília.  
O Ciclo de Palestras será aberto ao público e colocará em discussão temas ligados às comunidades quilombolas, ao valor histórico das religiões de matriz africana, gastronomia afro-brasileira, valorização da capoeira, Estatuto da Igualdade Racial, Lei 10.639/03, ações afirmativas e o negro nos meios de comunicação.  
As palestras resultarão na publicação de livros da Coleção Conheça Mais, com o objetivo de atender à demanda de material didático na área de cultura afro-brasileira, de acordo com a Lei nº 10.639/2003. As obras devem ser distribuídas nas escolas, bibliotecas e para a sociedade em geral.  

Confira a programação:  
26 de outubro
São Paulo
Conheça mais…  Ações afirmativas  
Palestrante
José Vicente -  Reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares
Conheça mais… Candomblé, Umbanda e Quimbanda 
Palestrantes
Jorge Arruda – Professor e secretário executivo do Comitê Estadual de Promoção da Igualdade Racial (CEPPIR/PE)
Vilson Caetano de Souza Júnior _ Professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Local
: Auditório da Faculdade Zumbi dos Palmares – Marginal Tietê, altura do nº 10.200 (Dentro do Clube de Regatas Tietê)
Hora
: 14h às 18h 
17 de novembro
Rio de Janeiro

Conheça mais… O que é capoeira?
  
Palestrantes
 Mestres Camisa (José Tadeu Carneiro Cardoso) e Luiz Renato Vieira

Conheça mais… Gastronomia afro-brasileira
  
Palestrante
Ana Ribeiro – Chefe Executiva em Gastronomia  
Local: Auditório da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro – Av. Graça Aranha, nº 1, 13º andar – Centro – Rio de Janeiro/RJ
Hora
: 14h às 18h  
19 de novembro
Salvador

Conheça mais… Lei nº 10639/2003
  
Palestrante
Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva – professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e relatora do Parecer/MEC, que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana  
Conheça mais… O negro nos meios de comunicação  
Palestrante
Maurício Pestana – Diretor Executivo da Revista Raça Brasil  
Local: Universidade do Estado da Bahia (UNEB) - Auditório Jurandir Oliveira -Rua Silveira Martins nº 2555 – Cabula
Hora
: 9h às 12h  
23 de novembro
Brasília 
Conheça mais… Estatuto da Igualdade Racial  
Palestrantes
Benedito Cintra – Assessor Parlamentar/ DF
Augusto Henrique Pereira de Sousa Werneck Martins – Procurador do Estado do Rio de Janeiro e professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ)  
Local: St. Paul Plaza Hotel – SHS Quadra 2, Bloco H
Hora
: 14h às 18h 
24 de novembro
Brasília

Conheça mais… Quilombos contemporâneos: resistir e vencer 
 
Palestrante
Glória Moura – Professora da Universidade de Brasília (UnB) e pesquisadora de Comunidades Remanescentes de Quilombos  
Local: St. Paul Plaza Hotel – SHS Quadra 2, Bloco H, Brasília (DF)
Hora
: 14h às 18h

terça-feira, 25 de outubro de 2011

MPs pedem indenização a empresário que destruiu terreiro sagrado de candomblé para construir condomínio de luxo

O empresário e advogado Ademir Oliveira dos Passos está sendo processado em uma ação civil conjunta do Ministério Público Federal e do Ministério Público Estadual da Bahia por ofensa à liberdade religiosa e destruição de patrimônio histórico. Passos é acusado de invadir e destruir 14 hectares de área verde, aterrar uma lagoa e o barracão da Roça de Cima –pertencente ao terreiro de candomblé da Roça do Ventura–, para construção de um condomínio de luxo, localizado no município de Cachoeira (110 km de Salvador).
Segundo a ação, o empresário pretende construir um condomínio-clube com 110 casas na área e se negou a paralisar a construção mesmo após o embargo da obra, determinado pela Justiça. O pedido para suspensão das obras foi feito por conta do processo de tombamento do local, feito pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).
Se condenado, o empresário deverá reconstruir o barracão, pagar a indenização de mil salários mínimos (R$ 545 mil) à comunidade da Roça do Ventura, além do valor de R$ 455 mil por dano moral coletivo, totalizando R$ 1 milhão. Segundo a ação, houve violação da dignidade da pessoa humana e ao patrimônio religioso, material e imaterial. O local é considerado sagrado por ser o primeiro templo do candomblé da nação “Jeje Mahin”, fundado em 1858.
Na ação, o MPF e o MPE destacaram que o empresário ordenou que funcionários da construção usassem um trator para derrubar árvores centenárias consideradas sagradas, além de aterrar a lagoa de Nanã e destruir louças do século passado, que estavam nos assentamentos dos voduns (imagem de um orixá africano que representa um guerreiro defensor do terreiro). Os órgãos fundamentaram a ação pela “imperiosa necessidade de assegurar a proteção constitucional à liberdade de consciência e de crença”.
A comunidade da Roça destacou que foram derrubadas árvores das espécies jaqueira, sucupira, ubaúba, mangueira, olicuri e são gonçalinho. Tanto a lagoa quanto as árvores foram consagradas aos orixás do candomblé. A Roça do Ventura era o local onde os adeptos mais antigos do candomblé realizavam os rituais africanos.
O valor histórico e etnográfico do terreiro foi destacado em 2008, com o início do processo de tombamento no Iphan. O registro pretende garantir a liberdade e as práticas religiosas ancestrais da Roça. O tombamento abrange um conjunto de imóveis e área do sitio, como a cozinha sagrada, o salão dos rituais, as Casas de Hospedagem do Oiá (que possui um altar), dos Pejis (local das cerimônias), a Casa dos Antepassados, além da área onde estão localizadas 12 árvores consideradas sagradas pelo candomblé e o riacho Caquende.
A Roça do Ventura está localizada na fazenda Altamira –que pertence ao empresário Ademir Oliveira dos Passos–, mas deveria ter sido preservada até um posicionamento do Iphan. Para executar a obra, o empresário teria de pedir autorização do instituto.
Depois da intervenção na área, o Núcleo de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (Nudephac) realizou um laudo sobre os impactos na área e classificou as obras como uma “violação ao direito assegurado pela carta magna de liberdade de crença e proteção aos locais de culto.”

Outro lado

O UOL Notícias entrou em contato durante 15 dias com o escritório de advocacia de Ademir Passos, mas foi informado diversas vezes que o empresário não estava. A reportagem ligou ainda para o telefone celular de Passos, mas ele não atendeu às ligações nem retornou aos recados deixados na caixa postal.
A reportagem também tentou contato com representantes do terreiro, mas ninguém foi encontrado.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Lançamento do livro "Vozes infantis indígenas" - AM

(Clique na imagem para ampliá-la)

Crônicas do racismo nosso de cada dia


Na escola de meu filho:
Eu: Bom dia!
Mãe de colega dele: Sacode a cabeça e dá um sorrisinho amarelo.
Eu: Bom dia, tudo bem?
Outra mãe de colega dele: Não responde.
Eu: Oi, tudo bem?
Outra mãe: Faz de conta que não me viu e não responde.
Eu: Passo por todas e não cumprimento mais.
Elas: Vixe, mas ela não fala com ninguém... arrogante!
Posso com isso?!

"Da correnteza do rio que tudo arrasta com sua força, se diz violenta, mas não se diz violentas as margens que a comprimem." (Bertolt Brecht)

domingo, 23 de outubro de 2011

Indígenas universitários lançam portal sobre a história dos índios no Brasil

Com o objetivo de auxiliar professores e alunos no estudo da História e das Culturas Indígenas no Brasil, um grupo de seis índios universitários lançou na última quarta-feira, dia 12 de outubro, o site "ÍndioEduca". A proposta conta com o apoio da ONG Thydêwá e faz parte do Plano de Ação Conjunto Brasil ? Estados Unidos para a Promoção da Igualdade Racial e Ética (Japer).

Através de textos e conteúdos multimídias, os estudantes Alex Macuxi e Sabrynna Taurepang (Roraima), Amaré Krahô-Kanela(Tocantis), Aracy Tupinambá (Rio de Janeiro), Marina Terena e Micheli Kaiowa(Mato Grosso do Sul), irão dialogar com os visitantes sobre as seguintes temáticas: "O que é ser índio hoje", "Índio come gente", "Índio mora emOca", "Índio anda nu" e "Mitos e Verdades".

Relembrando o dia 12 de outubro de 1492, quandoCristovão Colombo pisou na América e iniciou os processos de invasão e genocídio, os estudantes decidiram inaugurar o site, no último dia 12, buscando alertar as pessoas, principalmente as crianças, para as diversas realidades que os povos indígenas vivem na sociedade.

Os interessados podem conhecer o site através do endereço: <http://www.indioeduca.org/>

Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras

O auditório Gilberto Freyre, no Palácio da Cultura Gustavo Capanema, localizado na Rua da Imprensa, centro do Rio de Janeiro, foi o palco do lançamento da 2ª edição do Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras, no dia 28/09. Realizado pela Fundação Cultural Palmares (FCP) em parceria com o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Osvaldo dos Santos Neves (Cadon), o prêmio tem como objetivo estimular e incentivar as expressões artísticas de estética negra.A premiação é dividida em três categorias: artes visuais, dança e teatro. Poderão se inscrever pessoas jurídicas de natureza cultural, com ou sem fins lucrativos, que trabalhem com a temática cultural negra.
Serão contemplados 20 projetos, quatro por região do País, inéditos ou não, a serem concretizados em 2012, totalizando assim um investimento de R$1,1 milhões de reais em prêmios.As inscrições poderão ser feitas, gratuitamente, no período de 10 de outubro a 24 de novembro de 2011 e poderão ser preenchidas diretamente na página do Prêmio: www.premioafro.org.PrêmioA edição 2011 do Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras é dedicada às comemorações do Ano Internacional dos Povos Afrodescendentes. Coordenado pelo Departamento de Fomento e Promoção da Cultura Afro-brasileira (DEP) da FCP, a ação é uma forma de reconhecimento às expressões artísticas e culturais, contribuindo para a continuidade de suas atividades.A cerimônia de lançamento, promovida pela FCP, reuniu 300 convidados e contou com uma apresentação cênico-musical da atriz Iléa Ferraz, com uma adaptação especial, para ocasião, de A Botija de Ouro, de Joel Rufino. A cerimônia contou com as presenças do presidente da Fundação Cultural Palmares Eloi Ferreira de Araujo, da presidente do Cadon, Ruth Pinheiro, além de representantes da Petrobras que apóia o prêmio. 

Edição de 2010
A primeira edição do Prêmio, realizada em 2010, foi elaborada a partir do contato com os grupos, artistas e companhias, que trabalham com a produção artística de matriz africana, e em atendimento à demanda do Fórum de Performance Negra. Foram contemplados vinte projetos das cinco regiões brasileiras, totalizando mais de  R$ 1 milhão de reais em prêmios.Os projetos inscritos à edição de 2010 serão avaliados por uma comissão de membros indicados, e serão considerados os critérios de excelência artística, histórica e efetiva contribuição artística para a cultura afro-brasileira, pertinência do conteúdo à questão afro-brasileira, qualificação dos profissionais e viabilidade técnica de execução. Após a divulgação dos resultados, será realizada uma cerimônia de premiação para os vinte projetos vencedores. 

sábado, 22 de outubro de 2011

Abertas inscrições para a I Oficina de Povos Tradicionais de Terreiro - MA



Estão abertas as inscrições para selecionar participantes para a I Oficina Nacional de Elaboração de Políticas Públicas de Cultura para Povos Tradicionais de Terreiros. A Chamada Pública foi divulgada hoje, 21 de outubro de 2011, no site do Ministério da Cultura.

A oficina – que acontecerá, de 27 a 30 de novembro, em São Luis, Maranhão – é uma iniciativa da Secretaria de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura e tem como objetivo subsidiar a construção de políticas públicas de cultura para Povos Tradicionais de Terreiros com vistas à proteção, promoção e consolidação de suas tradições, reconhecendo seus ritos, mitologias, simbologias e expressões artístico-culturais.

As inscrições poderão ser realizadas de 22 a 31 de outubro, mediante preenchimento de formulário pelo SALICWEB no endereço: http://sistemas.cultura.gov.br/propostaweb/.

No ato da inscrição, deverão ser anexadas cópias dos seguintes documentos: comprovante de residência, CPF, RG, currículo (ou breve histórico de vida) e carta de indicação da liderança do terreiro ao qual o candidato pertence (quando for o caso de candidatar-se à categoria “Representante de Povos Tradicionais de Terreiros”). A inscrição será validada apenas se forem preenchidos todos os campos solicitados. Os inscritos serão avaliados e selecionados pela Comissão de Organização da Oficina de Elaboração de Políticas Públicas de Cultura para Povos Tradicionais de Terreiros, conforme estabelece a Portaria Nº 28, de 12 de Agosto de 2011, Diário Oficial da União- seção 2.


Chamada Pública (clique aqui)
Tutorial para inscrição (clique aqui)
Inscrições on-line (clique aqui)

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Instituto Mídia Étnica – Seis anos DeNegrindo a Mídia

“Odeia a mídia? Torne-se a mídia!”. Este era um dos cartazes que levantamos na I Semana pela Democratização da Comunicação da Bahia. A frase, criada pelo Centro de Mídia Independente (CMI), era mais um dos motivos que nos inspirava a criar, naquele 21 de outubro de 2005, o Instituto Mídia Étnica.

Éramos, naquela oportunidade, estudantes de comunicação de diversas faculdades de Salvador e tínhamos em comum o fato de questionarmos em nossas respectivas instituições o incipiente debate sobre racismo na comunicação.

Alguns teóricos nos davam a base que precisávamos para seguir na luta, como Muniz Sodré, Fernando Conceição, Carlos Moore e Joel Zito Araújo. Outras instituições parcerias - como o Instituto Steve Biko, Dombali e o CEAFRO - nos mostravam o complexo caminho de se fazer movimento negro dentro do chamado terceiro setor. Nossa pauta era extensa, queríamos discutir de estereótipos à propriedade dos meios de comunicação, sempre com os dois olhos voltados para a internet.

Depois de muito debate, escolhemos o nosso slogan “Vamos DeNegrir a mídia”, ou seja, tornar a mídia mais negra. No dia do lançamento, tivemos a honra da participação de importantes nomes da luta pela democratização da comunicação e do movimento negro, como a socióloga Luiza Bairros (atual ministra da Seppir), Gilmar Santiago (então secretário da Reparação), os deputados Luiz Alberto e Walter Pinheiro (hoje senador), e os já citados Carlos Moore e Joel Zito Araújo, que estava lançando seu aclamado filme Filhas do Vento.

Abrimos o evento ouvindo o ator e diretor Ângelo Flávio ler o poema “Padê de Exu Libertador”, do saudoso Abdias Nascimento, que nos ensinou que na cosmovisão iorubana é o Orixá da comunicação quem abre os caminhos. As paredes do auditório do Solar do Unhão estavam repletas de citações sobre a importância da comunicação para o desenvolvimento da comunidade negra. Frases de Milton Gonçalves, Antônio Pitanga, Zezé Mota e outros atores e atrizes militantes.

Não parece, mas a comunicação em 2005 era bem diferente do que temos agora. A chamada “grande mídia” ainda reinava arrogantemente e os dissidentes eram chamados pejorativamente de “piratas”. Blog ainda era uma palavra nova, e colocar um site “no ar” exigia um investimento considerável se comparado a hoje.

Na Califórnia, bem longe do Pelourinho onde estávamos, três jovens davam os primeiros passos para criar uma ferramenta que mudou a maneira com que nos relacionamos com o vídeo, o YouTube. A Internet a cabo havia acabado de chegar e o Orkut ainda era uma coisa de nerd – para acessar a rede era necessário ter convite.

Foi nesse contexto que começamos a usar as novas tecnologias de comunicação. Criamos nosso primeiro blog (http://midiaetnica.zip.net), comunidade no Orkut e fizemos a nossa primeira cobertura jornalística, o Dia da Consciência Negra de 2005. Cyber-Aruá foi o nome escolhido. A ideia era fazer um trocadilho com o termo “Cyber-Café” e usar uma referência afro-brasileira. Rudimentarmente usamos celular para enviar notícias das caminhadas para a equipe que ficava na Praça Municipal e atualizava o blog. Dois anos mais tarde, fomos a primeira organização negra do Brasil a escrever em 140 caracteres no Twitter.

Curiosos, queríamos saber “com quantos gigabytes se faz uma jangada, um barco que veleja” e descobrimos que “antes o mundo era pequeno porque a Terra era grande. Hoje o mundo é muito grande porque a Terra é pequena, do tamanho da antena parabolicamará”, como anteviu, em Pela Internet e Parabolicamará, o mestre Gilberto Gil, nosso ministro hacker, com o qual tivemos o orgulho de gravar o documentário Connecting South. Ê, volta do mundo, camará. Ê, mundo dá volta, camará!!!

Muitos estranhavam nossa forma de fazer política e o nosso jargão “direito humano à comunicação”. Outros acreditavam em nossa proposta e nos apoiavam de maneira incondicional. Já na esfera das organizações sociais de comunicação, o ceticismo sobre a questão racial era a regra.

De lá para cá muita coisa mudou, outras continuam iguais. A comunicação de massa (Rádio, TV e jornal) ainda é concentrada nas mãos de poucas famílias e não se tem notícia de grandes veículos de comunicação controlados por afrodescendentes. O mesmo racismo, no jornalismo ou na publicidade, continua a operar de forma sistêmica e institucional. Porém, um novo horizonte ao poucos vai se abrindo para todos os grupos sociais invisibilizados: o aumento das tecnologias digitais e o barateamento dos equipamentos eletrônicos.

Atualmente, um grupo de rap da periferia de uma cidade nordestina pode postar um vídeo no YouTube e ter mais acesso que uma edição da Folha de São Paulo. A qualidade de uma câmera que custava, em 2005, 15 mil reais, hoje pode ser acessada com um celular de R$500. É claro que isso não significa que a “grande mídia” está perdendo sua influência, mas certamente ela não é mais o único emissor de informações.

Apostamos na criação do Correio NaGô, uma rede social que tinha, em novembro de 2008, cerca de 28 pessoas cadastradas. Agora, essa rede possui mais de 5 mil membros cadastrados e milhares de visitantes por mês oriundos de mais de 50 países do mundo. O objetivo do site é disseminar a ideia do jornalismo cidadão e participativo dentro da comunidade afro-brasileira.

Cada membro do Correio Nagô é um nó dessa grande teia anti-racista. Cada post que vai ao ar é um golpe no mito da democracia racial e na crença da supremacia branca. Junto a outros sites e blogs do movimento negro estamos em constante vigilância para garantia de nossos direitos, afinal somos construtores dessa nação.

Entretanto, os desafios para o futuro são grandes. Como nos anteciparmos nas inovações tecnológicas e empreendermos projetos de impacto? Como manter e valorizar a ancestralidade africana utilizando a mídia? Como fazer com que a imprensa tradicional também seja uma promotora da igualdade racial? Como criarmos nossos veículos (rádios, TVs, jornais etc.) para mostrar nosso ponto de vista para toda a sociedade? Como garantir que os jovens afro-brasileiros produzam conteúdo? E tudo isso “do nosso jeito, sendo sujeitos”, como nos ensinou Makota Valdina Pinto.

Alguns caminhos já estão sendo apontados de maneira natural. Foi assim com as oficinas que realizamos, com o UNFPA, na comunidade de Sussuarana, em Salvador, que resultaram na criação do grupo Mídia Periférica - jovens com menos de 20 anos que lançam nessa semana um programa de TV web com o discurso afrocentrado e um olhar de periferia.

Da mesma forma, vimos alguns veículos tradicionais, com quem temos dialogado nesses seis anos, mudarem significativamente sua abordagem sobre a questão racial, entendendo que a diversidade é uma questão importante e necessária.

Desde o início da nossa organização acreditamos que a luta do negro no mundo não é isolada, ela é interconectada e interdependente, como disse o escritor Cheikh Anta Diop. Ela é a mesma em todo o planeta.

A vocação internacionalista e panafricana do Instituto Mídia Étnica nos fez cruzar fronteiras e sair da nossa “roma negra” para desbravar o mundo. Viajamos e noticiamos histórias do povo negro de lá da Nigéria, Costa Rica, Estados Unidos, Honduras, Gana, África do Sul, Inglaterra, Moçambique etc. Se no mundo pré-internet nossos ancestrais estavam interconectados por que não digitalizar esses laços que nos unem?

Sabemos que a batalha para afirmação de nossos valores estéticos e civilizatórios não vai acabar tão cedo. A desconstrução dos modelos eurocentrados da mídia vai além dos nossos limites, mas temos a honra de fazer parte dessa geração que vem, a cada dia, tentando assumir a tarefa passada por aqueles que deram sangue e suor para que estivéssemos vivos.

Que nessa Semana da Democratização da Comunicação possamos pensar juntos como alcançar nossos objetivos e, citando a socióloga Vilma Reis, “fazer comunicação fora do controle da Casa-Grande”.

Saquemos, portanto, nossos gravadores e tablets, armemo-nos com nossos tripés e lentes, preparemos nossas câmeras e celulares, pois a batalha pela informação está apenas começando.

Paulo Rogério Nunes é co-fundador do Instituto Mídia Étnica

TONTE: Correio Nagô

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Conversas Plugadas Especial com Sérgio Vaz acontece no dia 9 de novembro - BA


Idealizador do maior movimento de literatura periférica do Brasil – o Cooperifa – vem a Salvador para bate-papo e sarau de poesias com participação do Sarau Bem Legal e Coletivo Blackitude



webflyer-sergio-vaz-email.jpg



No próximo dia 9 de novembro, quarta-feira, às 19h30, Salvador poderá experimentar um dos fenômenos socioculturais mais importantes do país em mais uma edição do projeto Conversas Plugadas Especial, desta vez com o poeta e ativista cultural Sérgio Vaz. O fundador da Cooperativa Cultural da Periferia (Cooperifa), nascido em São Paulo e que tem transformado a vida de milhares de pessoas da maior cidade do país por meio da poesia, vem à capital baiana para um evento com a participação de representantes locais da literatura “marginal”: as crianças do Sarau Bem Legal e o agitador do Coletivo Blackitude, Nelson Maca, completam o time que vai levar ao palco do Teatro Castro Alves a mistura de vivências da periferia, literatura de resistência, a voz do hip hop, a arte dos grafiteiros e muita poesia. Ingressos são distribuídos gratuitamente na hora do evento, com acesso imediato do público.



Depois das participações de José Eduardo Agualusa, Mia Couto e José Miguel Wisnik, o Conversas Plugadas Especial agora inclui dentre os nomes convidados um representante da literatura da periferia e da poesia feita fora da academia. Sérgio Vaz é o criador do Sarau da Cooperifa, um exercício de democratização do uso da palavra e de reação política à exclusão. Esta verdadeira revolução comunitária está completando 10 anos e leva todas as quartas-feiras, ao Boteco do Zé do Batidão, na zona sul de São Paulo, a poesia dos novos artistas da periferia, a valorização da tradição oral, estímulo à leitura e à produção escrita.



Entusiasta da literatura de resistência, Sérgio Vaz propõe uma dessacralização da poesia e aproximação da realidade. “É quando a poesia desce do pedestal e beija os pés da comunidade”, afirma. Este poeta marginal que cresceu envolto por livros, mas estudou pouco, já conta com sete livros publicados e tem colecionado elogios de grandes personalidades como Eliane Brum e Heloísa Buarque de Hollanda.



Junto com Vaz, sobem ao palco as crianças do Sarau Bem Legal, evento mensal voltado ao recital de poesia por meninos e meninas entre 10 e 13 anos, o professor e ativista da poesia divergente Nelson Maca, rappers e grafiteiros do Coletivo Blackitude, numa grande interação artística que retrata a cultura da periferia brasileira. 



Para os interessados que não puderem se fazer presentes, o Conversas Plugadas terá transmissão ao vivo pelo Portal do IRDEB (www.irdeb.ba.gov.br), dando espaço para participação, além do público no TCA, aos internautas, através do envio de perguntas.



SERVIÇO

Conversas Plugadas Especial com Sérgio Vaz e participação do Sarau Bem Legal e Coletivo Blackitude

Quando: 9 de novembro de 2011, às 19h30

Onde: Sala Principal do Teatro Castro Alves (Campo Grande – Salvador)

Quanto: Entrada franca – ingressos distribuídos gratuitamente na hora do evento, com acesso imediato do público (sujeito à lotação da sala)

Transmissão ao vivo pelo portal do IRDEB: www.irdeb.ba.gov.br

Realização: FUNCEB/SecultBA

Apoio: CELF - Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia/ Unijorge/ TV Bahia/ Educadora FM/ TVE/ IRDEB

Debate "Racismo: o que a Psicologia tem a ver com isso?" - PE

ANPSINEP  
Articulação Nacional de Psicólogas(os) Negras(os) e Pesquisadoras(es) de Relações Raciais e Subjetividades

 Lança a publicação "AQUI ESTAMOS"
e
Promove o Debate
RACISMO: O QUE A PSICOLOGIA TEM A VER COM ISSO?

Maria Conceição Costa – Conselho Regional de Psicologia de Pernambuco
Maria de Jesus Moura – Observatório Negro/PE  
Maria Lúcia da Silva – Instituto AMMA Psique e Negritude/SP/ANPSINEP
Marilda Castelar – Conselho Federal de Psicologia
Data: 22 de outubro de 2011
Hora: das 11h às 13h
Local: CRP - 2ª REGIÃO - PE - Rua Afonso Pena,475, Santo Amaro - Recife - Tel.:            (81)2119-7272      
Apoio: Conselho Regional de Psicologia de Pernambuco e Conselho Federal de Psicologia.
Realização: Articulação Nacional de Psicólogas(os) Negras(os) e Pesquisadoras(es) em Relações Raciais e Subjetividade.

I Seminário Internacional "Em torno de Angola: narrativas, identidades e conexões atlânticas" - DF


(Clique nas imagens para ampliá-las)

Audiência Pública sobre a Política Nacional de Atenção a Saúde Integral da População Negra - BA

A Audiência Pública sobre a Política Nacional de Atenção a Saúde Integral da População Negra, acontecerá na próxima segunda-feira, dia 24 de outubro de 2011, das 14h às 18h, no Ministério Público do Estado da Bahia.
 
A iniciativa busca estreitar o espaço de interlocução entre o Governo e a sociedade civil, com propósito de discutir medidas e estratégias que potencializem a redução das desigualdades em saúde, que impactam a população negra.
 
A audiência é realizada pela Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI), a Secretaria de Saúde (SESAB), a Comissão Estadual de Promoção da Igualdade da Assembléia Legislativa, a Comissão Municipal de Reparação da Câmara dos Vereadores da Prefeitura de Salvador, junto ao Ministério da Saúde e ao mandato do Dep. Federal Luiz Alberto.
 
O evento acontecerá na mesma semana em que se comemora a Mobilização Pró-Saúde da População Negra 2011, dia 27 de outubro. Este ano a campanha tem a seguinte temática: “Saúde da População Negra é direito, é lei: racismo e discriminação fazem mal a saúde”.

Serviço
O quê: Audiência Pública sobre a Política Nacional de Atenção a Saúde Integral da População Negra.
Data: 24 de outubro de 2011,
Horário: 14h às 18h
Local: Ministério Público do Estado da Bahia (End. Av. Joana Angélica, 1312, Nazaré – Salvador/BA). 

 

Reunião para a Cerimônia de Celebração da Vida e Obra de Abdias Nascimento - BA

Prezados (as),

Para dar encaminhamento aos preparativos necessários para participação da delegação baiana na Cerimônia de Celebração da Vida e Obra de Abdias Nascimento, vimos através deste convida - los, para participar de uma nova reunião que se realizará dia 21 de outubro de 2011, ás 10:00, na Associação Bahiana de Imprensa (na Praça da Sé ao lado do prédio da Previdência Social).

Favor confirma presença.

Atenciosamente,
Carine Vidal
Secretária Administrativa da Sepromi
55 71  3115 5147
carine.vidal@sepromi.ba.gov.br
www.sepromi.ba.gov.br

USP promove palestra "Trabalho Forçado Africano: pesquisas contemporâneas" - SP

SEMINÁRIOS DE PESQUISA DO
Centro de Estudos Africanos da USP
Tema: Trabalho Forçado Africano: pesquisas contemporâneas
com o Dr. Maciel Santos -Professor e Pesquisador do Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto
Data: 24/10/2011 (segunda-feira) - às 14h30
Local: Prédio de Filosofia e C. Sociais,Sala 24 (térreo)

O acesso será gratuito e não há necessidade de inscrição.
Não haverá fornecimento de atestado de presença ou certificado de participação

A 2ª Fase do Curso Direito e Relações Raciais acontece de 20 à 26 de outubro - BA

A primeira fase do Curso Direito e Relações Raciais que ocorreu entre os dias 13 à 15 de outubro contou a presença de estudantes de direito, funcionários públicos, professores e representantes de Associações. O professor e advogado Sérgio São Bernardo abordou temas teóricos sobre identidade, raça, mestiçagem, eugenismo, multiculturalismo e discriminação indireta, dentre outros. 

A segunda fase prevista para ocorrer nos dias 20 e 21 de outubro das 18h às 22h, dia 22 de outubro das 8h às 18h, e 24, 25 e 26 de outubro das 18h às 22h, no campus da UNEB em Salvador, permitirá aos cursistas terem um aprendizado da abordagem legal e prática de alguns instrumentos jurídicos de defesa dos direitos coletivos, em especial dos grupos étnicos de matriz africana.

Para atender a demanda de interessados haverá uma nova edição do Curso Direito e Relações Raciais em janeiro de 2012, fiquem atentos aos prazos de inscrições no site do Instituto Pedra de Raio.

Mais informações:
www.pedraderaio.org.br
Colegiado de Direito da UNEB             (71) 3117-2257