SEGUIDORES DO BLOG




CALENDÁRIO NEGRO - ABRIL

1 – Criação do Partido dos Panteras Negras, EUA (1967)

1 – Nasce no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro, o cantor e compositor Antônio Moreira da Silva - Kid Morengueira, famoso pelo jeito muito próprio de cantar o samba de breque. Fez sucesso com sambas antológicos como: "Acertei no Milhar", "O Rei do Gatilho" e "Na Subida do Morro" (1902)
1 – Tem início em Dacar, Senegal, o I Festival Mundial de Arte Negra (1966)
2 – Nasce em Santa Maria da Vitória (BA), o famoso escultor de carrancas do Rio São Francisco, Francisco Biquiba dy Lafuente Guarany. (1882)
2 – Nasce em Washington (EUA), o cantor, compositor, baterista, pianista, arranjador e produtor Marvin Gaye. Faz parte de seu repertório, sucessos como: "What's Going On", "Let's Get It On", "Sexual Healing" (1939)
2 – Criação no bairro de Madureira (RJ), do Grupo Afro-Cultural Agbara Dudu, que em iorubá significa "força negra", o mais antigo bloco-afro do Rio de Janeiro (1982)

2 – Nasce Dener Augusto de Sousa, o Dener, famoso jogador de futebol morto precocemente num acidente automobilístico (1971)
3 –
Martin Luther King Jr. profere seu discurso I've Been to the Mountaintop (Eu estive no topo da montanha), na sede da Igreja Mundial de Deus em Cristo, em Memphis, Estados Unidos (1968)

3 – Nasce nos Estados Unidos, o ator Eddie Murphy (1961)

3 – Nasce em São Paulo/SP, Mauro Mateus dos Santos, o compositor, cantor e ator brasileiro Sabotage (1973)

4 – Tem início em São Paulo, o I Encontro de Padres e Bispos Negros (1989)
4 – Nasce nos Estados Unidos, o ator e produtor Eddie Murphy (1961)
4 – Nasce em Rolling Forks, Mississipi (EUA), o músico e cantor de blues Mckinley Morganfield - Muddy Waters, um dos maiores mestres do blues urbano (1915)
4 – Independência do Senegal. (1960)
4 – Nasce em Lins/SP, Nelson Prudêncio, professor e atleta de salto triplo, ganhador de várias medalhas: uma medalha de prata nas Olimpíadas de Verão de 1968, na Cidade do México, uma medalha de bronze nas Olimpíadas de Verão de 1972, em Munique, uma medalha de prata nos Jogos Panamericanos de 1967, no Canadá, e uma medalha de prata nos Jogos Panamericanos de Cali, Colômbia, em 1971 (1944)

5 – Nasce nos Estados Unidos, o educador Booker T. Washington (1856)

5 – Nasce em Salvador (BA), Vicente Ferreira Pastinha - Mestre Pastinha, considerado o maior guardião da capoeira angola (1889)
5 – Nasce o compositor Joaquim Maria dos Santos, Donga, autor de “Pelo telefone”, primeiro samba gravado (1890)

6 – Nasce em Kinshasa/República Democrática do Congo, Fabrice Ndala Muamba, ex-jogador de futebol do Arsenal e Birminghan. Em 2012, teve um mal súbito, ficou com o coração parado por 78 minutos e sobreviveu (1988)
7 – Nasce em Baltimore (EUA), a cantora imortal, Billie Holiday, consagrada através de canções como: "Strange Fruit", "God Bless the Child", "Solitude", "My Man", "Don't Explain", entre outros (1915)

7 – Nasce Antônio Carlos Bernardes Gomes, o Mussum, músico, ator e humorista brasileiro, integrante do grupo Os Trapalhões (1941)
7 – Dia da Mulher Moçambicana - Em homenagem a Josina Mutamba Machel, comandante do destacamento de mulheres da FRELIMO e chefe de Assuntos Sociais do Departamento de Assuntos Exteriores de Moçambique
8 – A atriz Ruth de Souza recebe em Brasília a Comenda do Grau Oficial da Ordem do Rio Branco da República Federativa do Brasil, por sua contribuição ao cenário artístico brasileiro (1988)
9 – Nasce em Princeton (EUA), o ator e cantor Paul Bustill Robeson, Paul Robeson (1898)
9 – Nasce no Rio de Janeiro, o ator Haroldo de Oliveira (1942)
10 – Nasce na cidade de Pirapetinga (MG) o cantor Mário Souza Marques Filho - Noite Ilustrada (1928)
10 – Fundada no Rio de Janeiro, tendo como idealizador o Maestro Abgail Moura, a Orquestra Afro-Brasileira (1942)
11 – Em correspondência a Nina Rodrigues, o Dr. Remédios Monteiro externava sua opinião de que "...a raça negra tende a desaparecer em Santa Catarina por efeito do clima: as crianças anemiam-se, escrofulizam-se e tuberculizam-se enquanto as que não são de tal origem criam-se bem". (1899)
11 – Nasce em Pernambuquinho (RN), a escritora, militante do Movimento Negro em Pernambuco, Inaldete Pinheiro de Andrade, autora de "Cinco cantigas pra você contar", "Pai Adão era nagô", "Palavras de mulher" (1946)
12 – Nasce nos Estados Unidos o bailarino William Henry Lane - Juba, responsável por lançar as bases do sapateado, gênero de dança que consagrou artistas como Fred Astaire e Gene Kelly (1804)
13 – Nasce no Rio de Janeiro, a poetisa, cantora e compositora Yvonne Lara da Costa, D. Ivone Lara, primeira compositora de escola de samba a ganhar projeção com suas canções. (1921)
14 – Dia Mundial do Café, planta de origem etíope que foi a segunda mercadoria mais negociada no mundo por valor monetário, na década de 1980.

15 – Nasce no Rio de Janeiro o compositor e maestro Antônio Francisco Braga. (1868)

15 – Nasce, em São Lourenço da Mata/PE, José Albertino da Silva, o Caju, da dupla de embolada (1962)
16 – Decretada a abolição dos escravos no Distrito de Colúmbia (EUA). (1862)
16 – Nasce em Manhumirim (MG), o escritor e roteirista Júlio Emílio Braz, autor de "Saguairu", "Zumbi - O Despertar da Liberdade" e "Felicidade não tem cor" (1959)
17 – Nasce em Salvador/BA, Hyldon de Souza Silva, o produtor, guitarrista, baixista, compositor e cantor Hyldon, um dos maiores nomes do soul no Brasil (1951)

18 – Independência do Zimbabue. (1980)
18 – Inicia-se em Belo Horizonte, o II Encontro Nacional do MNU.
19 – Criação no Rio de Janeiro, do Grupo Negrícia - Poesia e Arte de Crioulo (1982)

19 – Nasce no Rio de Janeiro/RJ, Ronaldo Jorge Silva, o cantor, compositor e dançarino Naldo Benny (1979)
20 – Fundação no bairro de Miguel Couto, Nova Iguaçu (RJ), pela ialorixá Mãe Beata de Iemanjá, a Comunidade Terreiro Ilé Omi Oju Arô (casa da água os olhos de Oxossi) (1985)
20 – Nasce em Nogales, Arizona (EUA), o compositor Charles Mingus (1922)
21 – Nasce em Juiz de Fora/MG, Jorge Luís Andrade Silva, o ex-jogador e treinador de futebol Andrade, um dos jogadores que mais conquistaram o Campeonato Brasileiro de futebol (1957)

22 – Nasce o cantor e compositor Aldacyr Evangelista de Mendonça - Aldacyr Louro (1926)
23 – Dia consagrado ao orixá Oxóssi
23 – Nasce em Salvador ( BA), a negra Hilária Batista de Almeida, Tia Ciata ou Asseata, uma das tias baianas do samba carioca (1854)
23 – Nasce, em Alagoas, o escritor Jorge de Lima, um dos expoentes da poesia de temática afro-brasileira (1895)
23 – Nasce no bairro da Piedade (RJ), o compositor e músico Alfredo da Rocha Viana Júnior - Pixinguinha. Ganhou a imortalidade compondo músicas como: "Ingênuo", "Lamento", "Rosa" e "Carinhoso" (1897)
23 – Nasce em Juiz de Fora (MG), o cantor e compositor Geraldo Theodoro Pereira - Geraldo Pereira, autor de: "Acertei no Milhar", "Falsa Baiana", "Sem Compromisso" (1918)
23 – A cantora Elisete Cardoso, aos 5 anos de idade estréia como cantora na Sociedade Familiar Dançante e Carnavalesca Kananga do Japão (1926)
23 – Nelson Mandela, aos 47 anos, é condenado. Sua brilhante defesa não o livrou da prisão perpétua. Foi levado para a Ilha de Robben, prisão de segurança máxima para presos políticos (1964)
24 – Fundação em Belém (PA) do Club Amazônia, com o objetivo específico de organizar e promover a abolição da escravatura no vale do Amazonas (1884)
25 – Nasce em Newport New, Virgínia (EUA), a cantora de jazz Ella Fitzgerald, uma das musas da canção americana (1918)
25 – Nasce em Indianola, Mississipi (EUA), o cantor e guitarrista Albert Nelson - Albert King, um dos grandes expoentes do blues (1923)
25 – Nasce em São Paulo (SP) o cantor Agostinho dos Santos (1932)
25 – Criado no Pelourinho, Salvador (BA), o Bloco-Afro Cultural Olodum (1979)
26 – Festa Nacional da Tanzânia (1964)
26 – Iniciam-se as primeiras eleições multirraciais na África do Sul (1994)
26 – Nasce Benedita da Silva, primeira mulher negra a ocupar o cargo de governadora (1942)
27 – Independência do Togo (1960)

27 – Independência de Serra Leoa (1971)
27 – Nasce no Rio de Janeiro/RJ, a atriz e artista plástica Iléa Ferraz (1960)
27 – Fundação no Rio de Janeiro, do G.R.E.S. Arrastão de Cascadura. Cores: verde e branco (1973)
27 – Dia Nacional da Empregada Doméstica
27 – Realiza-se na África do Sul, a primeira eleição nacional livre sem a utilização de critérios raciais (1994)
Com o apoio maciço da população negra sul-africana, que pela primeira vez na história do país comparece às urnas para escolher seus representantes, o CNA - Congresso Nacional Africano conquista 62,6% dos votos e o líder Nelson Mandela é eleito presidente da África do Sul
28 – No bairro de Guaianazes, São Paulo, o trabalhador Robson Silveira da Luz, é morto vítima das torturas policiais. Este fato, aliado a outros, levou a criação do Movimento Negro Unificado. (1978)
28 – A Ialorixá Mãe Stella de Oxóssi recebe da Câmara Municipal de Salvador (BA) a Medalha Maria Quitéria, a mais alta comenda concedida à mulheres de destaque na Bahia (1995)
29 – Nasce em Washington, D.C. (EUA), o músico Edward Kennedy Ellington - Duke Ellington (1899)
30 – Nasce em Salvador (BA), o compositor Dorival Caymmi, autor de "O que é que a baiana tem ", "O Mar", "Dora", "Acalanto", "Oração de Mãe Menininha" (1914)

.

Pesquisa personalizada

sábado, 13 de dezembro de 2014

Programação da Primavera Literária - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

terça-feira, 25 de novembro de 2014

LICAFRO/UFF debate literatura, cinema e independências africanas - RJ




Projeto "Africanias" recebe o Prof. TUKUFU ZUBERI (University of Pennsylvania) e a escritora VERA DUARTE (Cabo Verde) no Instituto de Letras da UFF nesta sexta-feira.

"LITERATURAS, CINEMA E INDEPENDÊNCIAS AFRICANAS"
Reflexões - Projeção do filme premiado "African Independence" (Zuberi, 2013) - Debate28/11/2014, Auditório 218C, 17h30
UFF/ Gragoatá - Niterói

INSCRIÇÃO GRATUITA. Basta clicar no link abaixo. O cadastro vai ser utilizado para a confecção do seu certificado.

Aguardamos você!

LICAFROuff
Laboratório Interdisciplinar de Literaturas e Culturas Africanas e da Diáspora Negra
UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - Instituto de Letras
Campus Gragoatá, Bolco C, Salas 403 e 413
CEP: 24210-200 - Niterói - RJ 

sábado, 22 de novembro de 2014

CEFET/MG discute diversidade e inclusão na sociedade brasileira - MG



1º Seminário Nacional Afirmação das Diversidades:
Relações Étnico-Raciais, Gênero e Inclusão de PNE´s na Sociedade Brasileira
                                       01 a 05 de dezembro de 2014
                     CEFET-MG – CAMPUS 1 – BELO HORIZONTE, MG
                                        www.diversidades.cefetmg.br

Inscreva-se no evento (clique aqui)- inscrição gratuita - Oferece Certificado
Submissão de resumos até o dia 27/11/2014 às 17h (Normas para envio)
Clique aqui e confira a Programação do Seminário.


Grupos de Trabalho (GT´s):

GT01- Educação Inclusiva, empregabilidade e Mercado de Trabalho
GT02- Tecnologias Assistidas, Acessibilidade e Inclusão de PNEs
GT03- Movimento de Mulheres: Gênero, Identidade, Alteridade, Diferença
GT04- Ações Afirmativas de Base Racial na Sociedade Brasileira
GT05- EJA, juventude Negra, Trabalho e Direitos Humanos
GT06- Comunidades Tradicionais Negras, Ancestralidade e Religiões de Matriz Africana
GT07- Educação, Território e Cultura Indígena
GT08- Relações de Gênero,TecnologiaseMundodoTrabalho
GT09 - Diversidade Sexual, homofobia, heteronormatividadee a luta LGBT
GT10- Diversidade Sexual, feminismos e intersecções: Raça/Etnia, Classe e Gênero.

PARTICIPE!!!  LANÇAMENTO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO

LANÇAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO (PROEXT-2015/SESU/MEC):
"EDUCAÇÃO ESCOLAR QUILOMBAS NA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE"

PALESTRAS

PalestraMagna:Interculturalidade, Relações de Gênero e Diversidades: Interseccionalidades e Desafios Contemporâneos.
Profa. Dra. Rosaurora Espinosa Gomes-Universidade Autônoma do México (UAM)

PAINÉIS

1- Pesquisa, Ensino, Extensão e Propostas Curriculares: Pessoas com Deficiência, Educação Especial e Práticas inclusivas
2- Educação Escolar Indígena, Cultura e Sociedade
3- Comunidades Negras Tradicionais. Ancestralidade e Religiões de matriz
4- Comunidades Tradicionais no Brasil e no México: Perspectivas Antropológicas
5- Quilombos, Terreiros, Comunidades Negras e Clubes Negros: as Especificidades de Minas Gerais
6- Diversidade Sexual, feminismos e intersecções: Raça/Etnia, Classe e Gênero

OFICINAS

Pessoas com Deficiencia, Empregabilidade e o Mundo do Trabalho
Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas: Inclusão Social e os Desafios para as instituições de ensino
Música e Letra: Corporeidade e Identidade Negra Brasileira
Gestão da Escola, Sala de Aula e as Possibilidades de efetivação da Lei 10.639/2003 (referente aos Afro-Brasileiros)e11.645/2008 (referente aos Indígenas)
Alquimia das relações raciais: branquitude-negritude como conceitos sócio-antropológicos na produção do conhecimento
Corporeidade, Estética e Literatura Negra – Para Além do Mercado Editorial
Diversidade Sexual, homofobia, heteronormatividade na escola e a luta LGBT
Organização política, mulheres jovens e feminismos dissidentes.

REUNIÕES DOS SEGMENTOS:NAPNEs, NEABIs, NEABs, NEGEDs, LGBTs E GRUPOS CORRELATOS.

TEREMOS AINDA:

Apresentação da Cantora Doris - Contandoe Cantando a História do Samba
Atividades culturais
Apresentação de Tecnologias e artefatos para pessoas com deficiência;
Lançamento de livros;
Apresentação de materiais e produtos relacionados ao tema do Seminário

                                      www.diversidades.cefetmg.br
           Diretoria de Extensão e Desenvolvimento Comunitário (DEDC)
Coordenação-Geral de Relações Étnico-Raciais, Inclusão e Diversidades (CGRID)
                                      Tel.: 3319-7026; 3319-7085 (tarde)

                     Imagem inline 1

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Espetáculo "Sortilégio II - Mistério Negro de Zumbi Redivivo", de Abdias Nascimento, no mês da consciência negra em Salvador - BA



O clássico do Teatro negro brasileiro tem direção de Ângelo Flávio

Marcando a celebração dos 10 anos da Cia de Teatro Abdias do Nascimento (CAN) e do centenário de Abdias Nascimento, o espetáculo inédito "Sortilégio II - Mistério Negro de Zumbi Redivivo", texto homônimo de Abdias Nascimento, ícone maior do Teatro Negro Brasileiro, têm direção e adaptação de Ângelo Flávio,
​assistência de direção de Elinaldo Nascimento e Vanessa Damásio, ​
coreografia de Zebrinha, figurino de Zuarte Júnior, cenário de Marcos Costa e equipe de direção musical formada por Maurício Lourenço, Daniel Vieira e Elinaldo Nascimento, estreia dia 21 de novembro e segue em temporada até o dia 30 de novembro (sextas, sábados às 20h e domingo às 19h), mês que marca a luta anti-racista em todo o país.
"A montagem traz aos palcos questões como deslocamentos identitários, integracionismos culturais,  imaginários e comportamentos sociais que nos levam a pensar a construção de um corpo brasileiro erguido através das inquietudes de um personagem atormentado pela culpa",  diz o diretor Ângelo Flávio.
“A coreografia do espetáculo tem função de legendar o texto, as cenas são muito visíveis e descritivas. Por se tratar de assuntos afro-religiosos, estou fazendo isso da maneira mais contemporânea possível, sem trazer para à cena rituais ou atos religiosos”, destaca o coreógrafo José Carlos Arandiba, mais conhecido como Zebrinha.
A premiada Cia Teatral Abdias Nascimento é a única Cia do país a receber os direitos exclusivos para montar este Clássico do Teatro Negro Brasileiro. A montagem é parte de um projeto idealizado por Ângelo Flávio, vencedor em primeiro lugar do edital nº 17/2012 do Fundo de Cultura da Secretaria de Cultura (SECULT- BA) através do Setorial de Teatro da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), que ainda este ano montou o bem sucedido projeto "Abriu de Leituras".

SINOPSE
Sortilégio II - Mistério Negro de Zumbi Redivivo acontece em um terreiro de candomblé, espaço de misticismo e religiosidade e explora o conflito de emoções e a dificuldade de enquadramento social do advogado negro Dr. Emanuel, que sofre com o preconceito racial. Ele é casado com uma mulher branca chamada Margarida, que na ocasião do casamento não era mais virgem e isso gera ciúmes e desconfiança nele. Durante um momento de fúria ao questionar a fidelidade da mulher, Emanuel a estrangula com intenção de assustá-la e acaba matando-a, após o ato ele foge para um terreiro de candomblé e é neste momento que se reintegra a sua cultura e religiosidade, negada anteriormente pela formação cristã.

CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO DA PEÇA À ATUALIDADE
Tendo a primeira versão escrita no início da década dos 1950, a peça só foi liberada pela censura em 1957, e hoje continua muito atual. Para a pesquisadora e viúva de Abdias do Nascimento, Elisa Larkin Nascimento, “a questão da intolerância religiosa que ela trata constitui hoje um tema da maior importância para a sociedade baiana, brasileira e mundial. A peça ajuda a colocar essa questão em perspectiva ao traçar o histórico da agressão violenta contra o povo de santo ao mesmo tempo em que mostra a força mítica e social do candomblé, fundada em uma relação fértil, dinâmica e respeitosa entre o ser humano e a natureza”.
Larkin, explica em um artigo chamado A Questão de Gênero na Peça Sortilégio (Mistério Negro) de Abdias Nascimento, que “Sortilégio ficou durante seis anos banida do palco pela proibição da censura. Uma nova versão da peça, Sortilégio II: mistério negro de Zumbi redivivo (Nascimento, 1979) foi escrita após a estada do autor na Nigéria como professor visitante da Universidade de Ife em 1977”.
Larkin destaca também a importância a contribuição da montagem para a cena do teatro baiano, nacional e mundial. "A apresentação de Sortilégio II vem coroar essa iniciativa de resgate e valorização da história do teatro negro. Contribui para a cena teatral baiano, brasileiro e do mundo ao enriquecer o legado do teatro negro, um fenômeno local, nacional e internacional estudado por vários autores. Esse fenômeno demonstra profunda coerência com a tradição africana ao fazer uma arte engajada na vida e nas peripécias de seu povo e sua comunidade", afirma Larkin.

EXPOSIÇÃO
Em comemoração aos 10 anos da Companhia Teatral Abdias Nascimento (CAN) será realizada no dia 21 de novembro (sexta-feira), às 19h, no foyer do teatro Vila Velha, uma exposição para mostrar a trajetória da Companhia, com fotos dos espetáculos já realizados, matérias de jornais, figurinos e vídeos. A curadoria da exposição é de Luis Augusto Sacramento e Ângelo Flávio, com produção de George Bispo.

ELENCO
A CAN resolveu abrir uma audição para selecionar atores e atrizes da nova geração adotando uma política de vitrine e difusão de novos talentos do teatro baiano. Foram mais de 200 inscritos para a audição, e foi uma decisão difícil escolher os talentosos artistas para integrar o elenco que conta com os atores, Cleiton Luz, Jean Pedro, Marcos Dias, Pedro Albuquerque, Renan Motta e Sérgio Laurentino, além das atrizes, Fernanda Silva, Savannah Lima, Mariana Borges, Telma Souza e Zitta Carmo.

O DIRETOR - ÂNGELO FLÁVIO
O ator e diretor baiano, Ângelo Flávio comemora este ano 20 anos de carreira  dedicados às artes cênicas, ele é bacharel em direção teatral pela Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia e já participou de diversas montagens do Teatro, Televisão e Cinema. Em 2002, funda a Cia Teatral Abdias Nascimento na UFBA, primeiro grupo negro de teatro de formação superior na Bahia. Sua trajetória passa ainda pelos espetáculos O evangelho segundo Maria, onde recebeu o Prêmio Braskem como ator, na direção dos espetáculos As irmãs de Brecht, A casa dos Espectros e O Dia 14, além de receber o prêmio de melhor texto em Casulo. No cinema, atuou em Fora do Rumo, Eu me Lembro, Quincas Berro D'água, O Fim do Homem Cordial, Trampolim do Forte, Estranhos (favorito a prêmio como ator) e A beira do Caminho. Na televisão, marcou presença em Dona Flor e seus dois maridos e a Grande Família.

 A CIA TEATRAL ABDIAS NASCIMENTO
A premiada Cia Teatral Abdias Nascimento (CAN), nasceu na Escola de Teatro da UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA em 2002, por estudantes negros e negras, que passaram a discutir a constante ausência do protagonismo negro na cena baiana, assim como, o ausente conteúdo epistemológico dos negros brasileiros e da Diáspora na grade curricular da Universidade. Participantes ativos nas lutas sociais contra todas as formas de discriminação e genocídio cultural - características presentes nas montagens - a CAN, adquire respeito não só estético, também, social . A CAN, tem se destacado na cena teatral contemporânea da Bahia por um trabalho que prima pela pesquisa e a qualidade cênica, características que lhe conferem um crescente respeito da Academia, da crítica especializada e do público em geral.

ABDIAS NASCIMENTO
Escritor, artista plástico, teatrólogo, político e poeta, Abdias Nascimento foi um dos maiores ativistas pelos direitos humanos e deixou um legado de lutas pelo povo afrodescendente no Brasil. Fundou no Rio de Janeiro, em 1944, o Teatro Experimental do Negro, que rompeu a barreira de cor nos palcos brasileiros e formou a primeira geração de atores e atrizes dramáticos negros do teatro brasileiro, além de propiciar a criação de uma literatura dramática afro-brasileira. Organizou eventos históricos como o 1o Congresso do Negro Brasileiro (1950) e a Convenção Nacional do Negro (1945-46), que propôs à Assembleia Nacional Constituinte de 1945 políticas afirmativas e a definição da discriminação racial como crime de lesa-Pátria. Em 1978, ele recebeu a primeira indicação ao Prêmio Nobel da Paz.

Após 12 anos no exílio, Abdias Nascimento retornou ao Brasil e participou do processo de redemocratização do país. Como deputado federal Abdias Nascimento elaborou, em 1983, a primeira proposta de legislação instituindo políticas públicas afirmativas de igualdade racial. Continuou defendendo essa proposta, no período de 1991 a 1999, como senador e como titular fundador da Seafro (Secretaria de Defesa e Promoção da População Afro-Brasileira) e da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania do Governo do Estado do Rio de Janeiro.
Autor de poesias, peças teatrais, ensaios e pesquisas, ele foi autor e organizador de vários livros e publicações, entre suas obras mais expressivas estão Axés do Sangue a da Esperança (orikis) (poesia, 1983); Sortilégio (Mistério Negro) (peça teatral, 1959, nova versão publicada em 1979); O genocídio do negro brasileiro (1978), Quilombismo (1980, 1ª edição).
A Universidade Obafemi Awolowo, de Ilé-Ifé, Nigéria, outorgou-lhe, em 2007, o título de Doutor em Letras, Honoris Causa. O Conselho Nacional de Prevenção da Discriminação, do Governo Federal do México, outorgou a Abdias Nascimento o seu prêmio em reconhecimento à contribuição destacada à prevenção da discriminação racial na América Latina (2008). O Ministério da Cultura outorgou-lhe a Grã Cruz da Ordem do Mérito Cultural (2007), e em 2009 ele recebeu do Ministério do Trabalho a Grã Cruz da Ordem do Mérito do Trabalho Getúlio Vargas. Ambas são as mais altas honrarias do Governo Federal do Brasil em suas respectivas áreas. Ainda em 2009, recebeu o Prêmio de Direitos Humanos da Universidade de São Paulo e o Prêmio de Direitos Humanos na categoria Igualdade Racial da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República do Brasil.

Professor Emérito da Universidade do Estado de Nova York e Doutor Honoris Causa pelas Universidades de Brasília, Federal e Estadual da Bahia, do Estado do Rio de Janeiro, e Obafemi Awolowo da Nigéria, Abdias Nascimento foi oficialmente indicado ao Prêmio Nobel da Paz de 2010, em função de sua defesa dos direitos civis e humanos dos afrodescendentes no Brasil e no mundo. Conheça toda a história da indicação de Abdias Nascimento ao Prêmio Nobel da Paz, e consulte as cartas de personalidades e instituições que apoiaram a indicação.
Abdias Nascimento faleceu no Rio de Janeiro em 23 de maio de 2011, aos 97 anos. O reconhecimento de sua obra foi expresso pelas inúmeras mensagens de condolências vindas de todas as partes do Brasil e do mundo.

FICHA TÉCNICA
Projeto, Direção e Encenação  - Ângelo Flávio
Texto - Abdias Nascimento
Coreografia – Zebrinha
Assistente de Direção - Elinaldo Nascimento e Vanessa Damásio
Coordenação de Produção – George Bispo
Assistente de Produção - Bianca Lessa e Marcelo Ricardo
Preparador Corporal - Arismar Adoté Jr
Cenógrafo - Marcos Costa
Cenotécnico – Milton Santos e Yoshi Aguir
Figurinino e Maquiagem – Zuarte Júnior
Equipe de direção Musical: Maurício Lourenço, Daniel Vieira e Elinaldo Nascimento.
Técnico de Som - Dj Jeferson Souza
Iluminador - Rivaldo Rios
Elenco - Cleiton Luz, Fernanda Silva, Jean Pedro, Marcos Dias, Mariana Borges, Pedro Albuquerque, Renan Motta, Savannah Lima, Sérgio Laurentino, Telma Souza e Zitta Carmo
Assessora de Comunicação - Dayanne Pereira
Assistente de Comunicação - Rebeca Bastos
Programador Visual – Sidney Rocharte
Fotografia - Milla Cordeiro
Curadoria Exposição - Luis Augusto Sacramento e Ângelo Flávio
Realização: Companhia Abdias Nascimento e Caboclinho Produção Cultural e Artística Ltda


SERVIÇO
Espetáculo Sortilégio II - Mistério Negro de Zumbi Redivivo
Local - Teatro Vila Velha
Temporada - 21 a 30/11 - Sextas, sábados às 20h e domingo às 19h
Ingressos: R$30 (inteira) e R$15 (meia)
Exposição - 10 ANOS DA COMPANHIA TEATRAL ABDIAS NASCIMENTO (CAN)
Local: Teatro Vila Velha
Data: 21 de novembro, às 19h

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

ADUSB promove debate sobre classe e questões étnico-raciais - BA


Reconhecendo a importância da discussão das questões etnicorraciais, sob o recorte classista, para o combate à opressão, a Adusb realizará uma mesa-redonda sobre a temática no Dia da Consciência Negra (20 de novembro). A atividade é organizada pelo Grupo de Trabalho Política de Classe para Questões Etnicorraciais, Gênero e Diversidade Sexual da Adusb e será realizada a partir das 19h no Auditório II do Módulo Antônio Luís da Uesb, campus Vitória da Conquista.

O professor Francisco Cardoso (DFCH) fará uma palestra com o tema “Classe e Raça: Identidades em Questão”, sendo seguido do professor José Luís Caetano (DFCH) que ministrará o debate sobre etnicidade e classe. A desigualdade social no mercado de trabalho brasileiro será discutida pela professora Sofia Manzano (DCSA).

Mesmo após a Ciência ter comprovado a inexistência de raças para caracterizar os grupos humanos, o termo é utilizado enquanto construto social. Neste sentido, é relevante discutir as implicações do termo no combate ao racismo e à relação entre etnicidade, constituição das classes sociais e seus processos de luta. Estudos sobre a territorialização de grupos indígenas também têm examinado a relação entre etnicidade, classes sociais e desigualdades. Diversas pesquisas demonstram ainda o quanto as questões etnicorraciais interferem na ocupação dos postos de trabalho no Brasil.

Impõe-se então aos movimentos sociais a superação dos paradigmas colonialistas e escravocratas e seus resquícios, para enfrentar adequadamente os agentes e as práticas que reforçam a opressão. Esta compreensão motiva o Andes-SN e suas seções sindicais, como a Adusb, a situação dos povos indígenas e afrodescendentes, o projeto do capital e as novas configurações do mundo do trabalho.
 

José Luís Caetano da Silva Antropólogo 
Membro da Associação Brasileira de Antropologia ABA
Coordenador do: Núcleo de Estudos em Comunicação, Culturas e Sociedades NECCSos/Departamento de Filosofia e Ciências Humanas DFCH / Comunicação Social/Jornalismo/ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB.

UERJ promove Seminário "Discutindo a História e a Cultura Afro-brasileira" - RJ




Lançamento da 2ª edição do livro "Dialética radical do negro", de Clovis Moura - SP

Por iniciativa das entidades listadas abaixo, foi reeditada a obra "Dialética Radical do Brasil Negro", uma das últimas e mais importantes obras de Clóvis Moura, falecido em 2003. A nova edição foi um esforço conjunto da Editora Anita, Fundação Maurício Grabois (FMG), Dikamba Editora e Neinb/USP. O prefácio é de Dennis de Oliveira (professor da USP e coordenador do Quilombação) e a apresentação do historiador Augusto Buonicore (secretário geral da FMG). 

O lançamento será no dia 25 de novembro, as 19h no auditório da Funarte, na Alameda Nothmann, 1058, próximo ao metrô Santa Cecília. Na ocasião, haverá um debate sobre o pensamento de Moura e as interfaces entre a teoria marxista e o estudo das relações raciais. 

Os debatedores convidados são: 
AUGUSTO BUONICORE - Historiador e secretário geral da Fundação Maurício Grabois. 
ROSA MARIA ANACLETO - Presidenta da União de Negros pela Igualdade de São Paulo DENNIS DE OLIVEIRA - Professor associado da Universidade de São Paulo, membro do Neinb/USP (Núcleo de Apoio à Pesquisa e Estudos Interdisciplinares sobre o Negro Brasileiro) e coordenador da comissão política do Coletivo Quilombação. 
SILVIO ALMEIDA - Professor doutor em Direito pela Universidade de São Paulo, professor da Universidade Mackenzie e Universidade São Judas, membro da comissão política do Coletivo Quilombação e presidente do Instituto Luiz Gama. 
MÁRCIO FARIAS - Mestrando em Psicologia Social pela PUC/SP, membro do NEPAFRO (Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-Americanas) 
GEVANILDA SANTOS - Doutora em Ciências Sociais pela PUC/SP, membro da Soweto-Organização Negra (filiada à Coordenação Nacional de Entidades Negras - CONEN) 

Promoção: 
- Fundação Maurício Grabois 
- Editora Anita 
- Dikamba Editorial e Projetos 
- Coletivo Quilombação 
- Neinb/USP 
- CELACC (Centro de Estudos Latino Americanos sobre Cultura e Comunicação) 
- UNEGRO/SP 
- União de Negros pela Igualdade de São Paulo 
- NEPAFRO - Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-Americanas) 
- Instituto Luiz Gama

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

VIII Fórum Pró-Igualdade Racial e Inclusão Social do Recôncavo - BA


DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Zumbi dos Palmares foi dado como morto pelo Império Português em terras brasileiras, era, então, 20 de novembro de 1695. O corpo de Zumbi, contudo, nunca foi encontrado. Muitas lideranças africanas e descendentes de african@s passaram a se identificar com o signo Zumbi. De herói afro-brasileiro que liderou a mais significativa luta contra a opressão racial no Brasil: o Quilombo dos Palmares, Zumbi foi transformado em mito. Mito que reúne as qualidades de um povo inteiro. Unindo as qualidades ancestrais africanas com a luta afro-brasileira, Zumbi tornou-se a expressão não apenas da resistência do povo negro no Brasil, mas da permanência de valores e saberes africanos em território nacional.

O Movimento Negro Organizado elegeu o 20 de Novembro como o Dia Nacional da Consciência Negra a fim de denunciar o racismo estrutural brasileiro e promover políticas da igualdade racial em toda a nação. Oxalá, superemos o racismo premente em nossas terras! Oxalá, conquistemos a cidadania negra - que é uma cidadania onde branc@s, indígenas, orientais, mulheres, homens, heterossexuais, homossexuais, transsexuais, crianças, adult@s e idos@s estão incluídos.

Chegou a hora de as políticas de promoção da diversidade deixarem de ser retórica para serem ação! Miremo-nos no exemplo de Zumbi! Viva Zumbi! Axé para o Povo Negro!


FÓRUM PRÓ-IGUALDADE RACIAL E INCLUSÃO SOCIAL DO RECÔNCAVO

O dia Nacional da Consciência Negra se constitui enquanto data de grande significado para todo o Brasil, para o estado da Bahia e a região do Recôncavo baiano. A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) através do VIII Fórum Pró-Igualdade Racial e Inclusão Social do Recôncavo busca ressaltar a importância histórica, política e pedagógica dessa data, ao mesmo tempo em que tem buscado instituir atividades acadêmicas e sociais que visam contribuir para a promoção de ações, programas e políticas pró-igualdade racial e inclusão social no Recôncavo.

A oitava edição do Fórum Pró-Igualdade Racial e Inclusão Social do Recôncavo celebra a data máxima para a luta d@s afro-brasileir@s pela dignidade e igualdade de direitos. O evento acadêmico, que ocorre entre os dias 17 e 21 de novembro na cidade de Cachoeira, tem como objetivo fomentar discussões e reflexões relacionadas às políticas e práticas afirmativas e reunir pesquisadores e ativistas comprometidos com as transformações sociais e com a contribuição do fazer científico para a sociedade.

Realizados pela Pró-Reitoria de Políticas Afirmativas e Assuntos Estudantis (PROPPAE) e pela Pró-Reitoria de Extensão (PROEXT), o Fórum é revelador dos níveis de enraizamento e implicações da nossa Universidade com a história local, sua sintonia com as lutas dos movimentos sociais organizados e comprometimento com as questões sociais e raciais, ao mesmo tempo em que revela também como esses referenciais têm sido constitutivos da sua organização e atuação, então assumidas como norteamentos político-pedagógicos, que ao integrarem o currículo acadêmico, contribuem para a superação das formas conservadoras e discriminatórias no que tange não apenas às questões raciais, mas também de outras práticas sociais excludentes.

http://www.ufrb.edu.br/forum2014/apresentacao 

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Recital poético musical aborda a obra da escritora Carolina Maria de Jesus - BA



“Quadros”, recital poético musical, que estreia no próximo dia 4 de novembro, no Espaço Cultural da Barroquinha, em Salvador-Bahia, aborda a obra da escritora mineira Carolina Maria de Jesus. As atrizes Vera Lopes e Emillie Lapa trazem para o palco uma mulher de personalidade e narrativas fortes. Um enredo todo construído a partir dos poemas escritos por Carolina Maria de Jesus que questiona temas como amor, maturidade e realidade.
Carolina Maria de Jesus foi moradora de uma favela no Canindé, zona norte de São Paulo e, apesar de ter estudado apenas até o segundo ano do primário, escrevia de forma arrebatadora nos cadernos que encontrava no lixo. Escrevia sobre o dia a dia de uma comunidade pobre da capital paulista. No início da década de 1960, lançou o livro “Quarto de Despejo – Diário de uma favelada”, que vendeu mais de 80 mil exemplares no Brasil e foi traduzido para mais de 15 idiomas. Porém os livros “Casa de Alvenaria”, de 1961, “Pedaços de Fome”, de 1963, “Provérbios”, de 1963, e o póstumo “Diário de Bitita”, de 1982, não chegaram a fazer tanto sucesso como o primeiro.
Em homenagem ao seu centenário de nascimento, comemorado no dia 14 de março de 2014, o recital foi construído de forma lúdica para envolver o público na escrita de Carolina. O diretor gaúcho, Jessé Oliveira, assina a direção artística do espetáculo e o músico e compositor, Maurício Lourenço, assina a direção musical. “Quadros”, ainda conta com o apoio da Katuka – Mercado Negro, Salão Rosas Negras e da Blackitude – Vozes Negras da Bahia. A InterAGIR Cultural – Assessoria de Comunicação é responsável pela assessoria de imprensa.

SERVIÇO
O Quê: “Quadros” recital poético musical
Onde: Espaço Cultural da Barroquinha (localizado na Praça Castro Alves)
Quando: 4, 11 e 12 de novembro de 2014
Horário: 20 horas
Entrada Franca
Classificação Livre

domingo, 2 de novembro de 2014

Comemoração do centenário de Abdias Nascimento - RJ

AFRICANIDADES EM DIÁLOGO 2
ÁFRICA NO MAR - SEMINÁRIO LITERATURA E POESIA
Centenário de Abdias Nascimento
 
Mesa: Abdias Nascimento, Estética e Literatura, com Conceição Evaristo, Éle Semog e Elisa Larkin Nascimento
Sexta-feira, 07 de novembro às 19h no auditório do MAR
 
Conceição Evaristo, autora do poema que estrutura o espetáculo de dança Nascimento, traz reflexões sobre o trabalho literário de Abdias Nascimento no contexto do conceito escrevivência negra. A partir da convivência e comunhão de ações com o homenageado, Éle Semog tece uma síntese do nexo entre criação literária, pensamento político e ativismo social de Abdias Nascimento. Imagens do acervo museológico e documental do IPEAFRO ilustram considerações de Elisa Larkin Nascimento sobre a evolução da relação entre estética e ativismo no movimento negro.
 
Espetáculo de dança: Nascimento: Estudo coreográfico sobre o poema “Dias de Kizomba”, de Conceição Evaristo
Companhia Rubens Barbot de Dança e Teatro
Domingo, 09 de novembro às 15h no sexto andar do MAR
 
O espetáculo é uma celebração para Abdias Nascimento no seu centenário. Com base no texto do poema “Dias de Kizomba” que Conceição Evaristo escreveu para Abdias na sua passagem para Orum, a Cia. Rubens Barbot criou um roteiro fragmentado onde se misturam épocas, ideias, situações e caminhos da vida desse homem ícone da moderna história brasileira.
 
Inscreva-se aqui
 
África no MAR
Seminário Literatura e Poesia
Praça Mauá, 5 - Região Portuária
100 vagas para a mesa (até a lotação do auditório)
 
 
OS PALESTRANTES E A COMPANHIA DE DANÇA

Poeta e contista do coletivo Quilombhoje além de doutora em literatura comparada, Conceição Evaristo alcançou reconhecimento nacional com a publicação de seu primeiro romance, Ponciá Vicêncio (2003). Autora de Becos da Memória (2006), sua antologia poética Poemas da Recordação e Outros Movimentos (2008) recebeu o Prêmio Portugal Telecom 2009, figurando entre as 50 melhores publicações do mundo em língua portuguesa. Os textos de Conceição têm sido publicados em tradução nos Estados Unidos, na Inglaterra e na Alemanha. Ativista da consciência negra, ela conviveu com Abdias Nascimento e dedicou-lhe o poema “Dias de Kizomba” na ocasião de sua passagem para o Orum em 2011.
 
O poeta Éle Semog é secretário executivo do Centro de Articulação das Populações Marginalizadas (CEAP) e integrante do Conselho Executivo do Instituto Palmares de Direitos Humanos (IPDH). Integrou a equipe de assessoria do senador Abdias Nascimento e o acompanhou na Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania do Estado do Rio de Janeiro. Coautor com Abdias Nascimento da biografia O griot e as muralhas (2006) e com José Carlos Limeira de O arco-iris negro (1979) e Atabaques (1984), ele é autor de Curetagem (1987) e A cor da demanda (1997), além de poemas publicados nas coletâneas do coletivo Cadernos Negros.

Doutora em psicologia e mestre em direito e em ciências sociais, Elisa Larkin Nascimento preside o Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO). Ela coordena o tratamento técnico do acervo de Abdias Nascimento, sob a guarda do IPEAFRO. Curadora de fóruns e exposições educacionais e artísticas com base nesse acervo, ela escreveu e organizou diversos livros, inclusive O sortilégio da cor (2003) e os cinco volumes da Coleção Sankofa (2008-2009).

A Companhia Rubens Barbot, fundada em 1990, desde então se afirma na ousadia de ler o mundo com um olhar negro, pesquisando gestos, movimentos e imagens dos corpos afro-brasileiros. Com espetáculos como O reino do outro mundo: Orixás e Em pleno meio-dia da nossa noite (sobre adolescentes de rua), a Companhia vem sendo aplaudida pela crítica nacional e do exterior. O Prêmio Instituto Goethe lhe rendeu turnê pela Alemanha em 1997, seguido pelos prêmios Consolidação de Grupo da FUNARTE (2005) e Jornal do Brasil de Melhor Espetáculo do Ano (2008).
 

sábado, 1 de novembro de 2014

2º Seminário Nacional de Educadores Evangélicos e Aplicação da Lei 10.639/03 - BA


Tema: Desconstruir para construir nossa identidade com relevância.

Quando? 28/11/2014(sexta-feira): abertura - 19h
                 29/11/2014(sábado): palestras e oficinas - 8:00 às 17:00

Local: Igreja Batista Sião(Rua Forte de São Pedro, 68- Campo Grande- ao lado do Teatro Castro Alves)

Investimento: R$ 30,00(Estudante)
                          R$ 60,00(Profissionais)

DAREMOS CERTIFICADO




CUXI- Ass. Cultural da Diáspora Africana
71-87761247 - 88630043  -  92086202 

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

terça-feira, 28 de outubro de 2014

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

IV Encontro de Professores Indígenas do Norte e Oeste da Bahia



Será realizado nos dias 31/10 a 02/11/14 o IV Encontro de Professores Indígenas do Norte e Oeste da Bahia na Universidade do Estado da Bahia- UNEB  Campus - Paulo Afonso/BA. 
Segue programação. 


Programação
31/10/2014

14:00 - Credenciamento
17:30 - Jantar
20:30 - Palestra: Educação Profissional Indígena: Territorialidade, Identidade e Sustentabilidade
21:00 - Atividade Cultural e Grupo de Estudos
01/11/2014

8:30 - Mesa de diálogos: Políticas Públicas para a Educação Indígena no Brasil e na Bahia: Impasses, compromissos e perspectivas- Movimento Indígena: APINOBA, MIBA e FORUMEIBA
9:40 - Intervalo

10:00 - Grupos de Trabalho - Políticas Públicas para a Educação Indígena no Brasil e na Bahia: Impasses, compromissos e perspectivas

14:00 - Mini Cursos

19:30 - Comunicações

21:00 - Atividade Cultural

02/11/2014

8:00 - Plenária 

10:00 - Encaminhamento das propostas

12:00 - Encerramento