SEGUIDORES DO BLOG




CALENDÁRIO NEGRO - ABRIL

1 – Criação do Partido dos Panteras Negras, EUA (1967)

1 – Nasce no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro, o cantor e compositor Antônio Moreira da Silva - Kid Morengueira, famoso pelo jeito muito próprio de cantar o samba de breque. Fez sucesso com sambas antológicos como: "Acertei no Milhar", "O Rei do Gatilho" e "Na Subida do Morro" (1902)
1 – Tem início em Dacar, Senegal, o I Festival Mundial de Arte Negra (1966)
2 – Nasce em Santa Maria da Vitória (BA), o famoso escultor de carrancas do Rio São Francisco, Francisco Biquiba dy Lafuente Guarany. (1882)
2 – Nasce em Washington (EUA), o cantor, compositor, baterista, pianista, arranjador e produtor Marvin Gaye. Faz parte de seu repertório, sucessos como: "What's Going On", "Let's Get It On", "Sexual Healing" (1939)
2 – Criação no bairro de Madureira (RJ), do Grupo Afro-Cultural Agbara Dudu, que em iorubá significa "força negra", o mais antigo bloco-afro do Rio de Janeiro (1982)

2 – Nasce Dener Augusto de Sousa, o Dener, famoso jogador de futebol morto precocemente num acidente automobilístico (1971)
3 –
Martin Luther King Jr. profere seu discurso I've Been to the Mountaintop (Eu estive no topo da montanha), na sede da Igreja Mundial de Deus em Cristo, em Memphis, Estados Unidos (1968)

3 – Nasce nos Estados Unidos, o ator Eddie Murphy (1961)

3 – Nasce em São Paulo/SP, Mauro Mateus dos Santos, o compositor, cantor e ator brasileiro Sabotage (1973)

4 – Tem início em São Paulo, o I Encontro de Padres e Bispos Negros (1989)
4 – Nasce nos Estados Unidos, o ator e produtor Eddie Murphy (1961)
4 – Nasce em Rolling Forks, Mississipi (EUA), o músico e cantor de blues Mckinley Morganfield - Muddy Waters, um dos maiores mestres do blues urbano (1915)
4 – Independência do Senegal. (1960)
4 – Nasce em Lins/SP, Nelson Prudêncio, professor e atleta de salto triplo, ganhador de várias medalhas: uma medalha de prata nas Olimpíadas de Verão de 1968, na Cidade do México, uma medalha de bronze nas Olimpíadas de Verão de 1972, em Munique, uma medalha de prata nos Jogos Panamericanos de 1967, no Canadá, e uma medalha de prata nos Jogos Panamericanos de Cali, Colômbia, em 1971 (1944)

5 – Nasce nos Estados Unidos, o educador Booker T. Washington (1856)

5 – Nasce em Salvador (BA), Vicente Ferreira Pastinha - Mestre Pastinha, considerado o maior guardião da capoeira angola (1889)
5 – Nasce o compositor Joaquim Maria dos Santos, Donga, autor de “Pelo telefone”, primeiro samba gravado (1890)

6 – Nasce em Kinshasa/República Democrática do Congo, Fabrice Ndala Muamba, ex-jogador de futebol do Arsenal e Birminghan. Em 2012, teve um mal súbito, ficou com o coração parado por 78 minutos e sobreviveu (1988)
7 – Nasce em Baltimore (EUA), a cantora imortal, Billie Holiday, consagrada através de canções como: "Strange Fruit", "God Bless the Child", "Solitude", "My Man", "Don't Explain", entre outros (1915)

7 – Nasce Antônio Carlos Bernardes Gomes, o Mussum, músico, ator e humorista brasileiro, integrante do grupo Os Trapalhões (1941)
7 – Dia da Mulher Moçambicana - Em homenagem a Josina Mutamba Machel, comandante do destacamento de mulheres da FRELIMO e chefe de Assuntos Sociais do Departamento de Assuntos Exteriores de Moçambique
8 – A atriz Ruth de Souza recebe em Brasília a Comenda do Grau Oficial da Ordem do Rio Branco da República Federativa do Brasil, por sua contribuição ao cenário artístico brasileiro (1988)
9 – Nasce em Princeton (EUA), o ator e cantor Paul Bustill Robeson, Paul Robeson (1898)
9 – Nasce no Rio de Janeiro, o ator Haroldo de Oliveira (1942)
10 – Nasce na cidade de Pirapetinga (MG) o cantor Mário Souza Marques Filho - Noite Ilustrada (1928)
10 – Fundada no Rio de Janeiro, tendo como idealizador o Maestro Abgail Moura, a Orquestra Afro-Brasileira (1942)
11 – Em correspondência a Nina Rodrigues, o Dr. Remédios Monteiro externava sua opinião de que "...a raça negra tende a desaparecer em Santa Catarina por efeito do clima: as crianças anemiam-se, escrofulizam-se e tuberculizam-se enquanto as que não são de tal origem criam-se bem". (1899)
11 – Nasce em Pernambuquinho (RN), a escritora, militante do Movimento Negro em Pernambuco, Inaldete Pinheiro de Andrade, autora de "Cinco cantigas pra você contar", "Pai Adão era nagô", "Palavras de mulher" (1946)
12 – Nasce nos Estados Unidos o bailarino William Henry Lane - Juba, responsável por lançar as bases do sapateado, gênero de dança que consagrou artistas como Fred Astaire e Gene Kelly (1804)
13 – Nasce no Rio de Janeiro, a poetisa, cantora e compositora Yvonne Lara da Costa, D. Ivone Lara, primeira compositora de escola de samba a ganhar projeção com suas canções. (1921)
14 – Dia Mundial do Café, planta de origem etíope que foi a segunda mercadoria mais negociada no mundo por valor monetário, na década de 1980.

15 – Nasce no Rio de Janeiro o compositor e maestro Antônio Francisco Braga. (1868)

15 – Nasce, em São Lourenço da Mata/PE, José Albertino da Silva, o Caju, da dupla de embolada (1962)
16 – Decretada a abolição dos escravos no Distrito de Colúmbia (EUA). (1862)
16 – Nasce em Manhumirim (MG), o escritor e roteirista Júlio Emílio Braz, autor de "Saguairu", "Zumbi - O Despertar da Liberdade" e "Felicidade não tem cor" (1959)
17 – Nasce em Salvador/BA, Hyldon de Souza Silva, o produtor, guitarrista, baixista, compositor e cantor Hyldon, um dos maiores nomes do soul no Brasil (1951)

18 – Independência do Zimbabue. (1980)
18 – Inicia-se em Belo Horizonte, o II Encontro Nacional do MNU.
19 – Criação no Rio de Janeiro, do Grupo Negrícia - Poesia e Arte de Crioulo (1982)

19 – Nasce no Rio de Janeiro/RJ, Ronaldo Jorge Silva, o cantor, compositor e dançarino Naldo Benny (1979)
20 – Fundação no bairro de Miguel Couto, Nova Iguaçu (RJ), pela ialorixá Mãe Beata de Iemanjá, a Comunidade Terreiro Ilé Omi Oju Arô (casa da água os olhos de Oxossi) (1985)
20 – Nasce em Nogales, Arizona (EUA), o compositor Charles Mingus (1922)
21 – Nasce em Juiz de Fora/MG, Jorge Luís Andrade Silva, o ex-jogador e treinador de futebol Andrade, um dos jogadores que mais conquistaram o Campeonato Brasileiro de futebol (1957)

22 – Nasce o cantor e compositor Aldacyr Evangelista de Mendonça - Aldacyr Louro (1926)
23 – Dia consagrado ao orixá Oxóssi
23 – Nasce em Salvador ( BA), a negra Hilária Batista de Almeida, Tia Ciata ou Asseata, uma das tias baianas do samba carioca (1854)
23 – Nasce, em Alagoas, o escritor Jorge de Lima, um dos expoentes da poesia de temática afro-brasileira (1895)
23 – Nasce no bairro da Piedade (RJ), o compositor e músico Alfredo da Rocha Viana Júnior - Pixinguinha. Ganhou a imortalidade compondo músicas como: "Ingênuo", "Lamento", "Rosa" e "Carinhoso" (1897)
23 – Nasce em Juiz de Fora (MG), o cantor e compositor Geraldo Theodoro Pereira - Geraldo Pereira, autor de: "Acertei no Milhar", "Falsa Baiana", "Sem Compromisso" (1918)
23 – A cantora Elisete Cardoso, aos 5 anos de idade estréia como cantora na Sociedade Familiar Dançante e Carnavalesca Kananga do Japão (1926)
23 – Nelson Mandela, aos 47 anos, é condenado. Sua brilhante defesa não o livrou da prisão perpétua. Foi levado para a Ilha de Robben, prisão de segurança máxima para presos políticos (1964)
24 – Fundação em Belém (PA) do Club Amazônia, com o objetivo específico de organizar e promover a abolição da escravatura no vale do Amazonas (1884)
25 – Nasce em Newport New, Virgínia (EUA), a cantora de jazz Ella Fitzgerald, uma das musas da canção americana (1918)
25 – Nasce em Indianola, Mississipi (EUA), o cantor e guitarrista Albert Nelson - Albert King, um dos grandes expoentes do blues (1923)
25 – Nasce em São Paulo (SP) o cantor Agostinho dos Santos (1932)
25 – Criado no Pelourinho, Salvador (BA), o Bloco-Afro Cultural Olodum (1979)
26 – Festa Nacional da Tanzânia (1964)
26 – Iniciam-se as primeiras eleições multirraciais na África do Sul (1994)
26 – Nasce Benedita da Silva, primeira mulher negra a ocupar o cargo de governadora (1942)
27 – Independência do Togo (1960)

27 – Independência de Serra Leoa (1971)
27 – Nasce no Rio de Janeiro/RJ, a atriz e artista plástica Iléa Ferraz (1960)
27 – Fundação no Rio de Janeiro, do G.R.E.S. Arrastão de Cascadura. Cores: verde e branco (1973)
27 – Dia Nacional da Empregada Doméstica
27 – Realiza-se na África do Sul, a primeira eleição nacional livre sem a utilização de critérios raciais (1994)
Com o apoio maciço da população negra sul-africana, que pela primeira vez na história do país comparece às urnas para escolher seus representantes, o CNA - Congresso Nacional Africano conquista 62,6% dos votos e o líder Nelson Mandela é eleito presidente da África do Sul
28 – No bairro de Guaianazes, São Paulo, o trabalhador Robson Silveira da Luz, é morto vítima das torturas policiais. Este fato, aliado a outros, levou a criação do Movimento Negro Unificado. (1978)
28 – A Ialorixá Mãe Stella de Oxóssi recebe da Câmara Municipal de Salvador (BA) a Medalha Maria Quitéria, a mais alta comenda concedida à mulheres de destaque na Bahia (1995)
29 – Nasce em Washington, D.C. (EUA), o músico Edward Kennedy Ellington - Duke Ellington (1899)
30 – Nasce em Salvador (BA), o compositor Dorival Caymmi, autor de "O que é que a baiana tem ", "O Mar", "Dora", "Acalanto", "Oração de Mãe Menininha" (1914)

.

Pesquisa personalizada

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Lançamento do Projeto Pró-Equidade na Pós-graduação da UFBA - BA


(Clique nas imagens para ampliá-las)

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Defesa de tese do POSAFRO/UFBA

TítuloEntre raças, tribos e nações: os intelectuais do Centro de Estudos Angolanos 1960-1980

Doutorando:Fabio Baqueiro Figueiredo

Banca Examinadora:
Prof. Dr. Valdemir Donizeti Zamparoni (Orientador)
Prof. Dr. Carlos Moreira Henriques Serrano (USP)
Profa. Dra. Inocência Luciano dos Santos Mata (Universidade de Lisboa)
Profa. Dra. Maria de Fátima Ribeiro (UFBA)
Prof. Dr. Claudio Alves Furtado (UFBA)

Data: 04 de dezembro de 2012
Horário: 14h30

Mesa Redonda "Literatura e Política em Angola" - BA


Local: Centro de Estudos Afro-Orientais
Endereço: Praça General Inocêncio Galvão, 42, Largo Dois de Julho, Centro, Salvador/BA
Data: 3 de dezembro
Horário: 18:30


Antologia de Lima Barreto resgata textos do escritor sobre o mundo do trabalho

90 anos após a morte do autor, seus artigos, cartas e crônicas sobre trabalhadores são reunidos em antologia por pesquisadores da UFMG


Afonso Henriques de Lima Barreto (1881-1922) está entre os escritores brasileiros que mais escreveram sobre trabalhadores e personagens do povo. Autor de romances como Recordações do escrivão Isaías Caminha e Triste Fim de Policarpo Quaresma, ele também se destacou em crônicas e artigos que publicou na imprensa de sua época, inclusive em alguns dos primeiros jornais alternativos: estudantis, suburbanos e sindicais, entre outros.
 
Para lembrar os 90 anos da morte do escritor, está sendo lançado eletronicamente este mês [novembro] o livro Lima Barreto - Antologia de artigos, cartas e crônicas sobre trabalhadores, organizado por professores e estudantes da Faculdade de Letras da UFMG. O livro está disponível, gratuitamente, no endereço eletrônicohttp://www.letras.ufmg.br/vivavoz/data1/arquivos/Lima_Barreto_PDF_site_1.pdf.
 
Na obra, foram selecionados textos que retratam a sociedade brasileira no fim do século XIX e início do século XX, começando pela abolição oficial da escravatura, que o escritor presenciou quando criança. Os textos abrangem ainda, e principalmente, a vida dos trabalhadores nos primeiros anos da República, incluindo as relações entre os trabalhadores do Brasil e de outros países, como a Rússia, com destaque para a Revolução de 1917, e os Estados Unidos, cuja dominação sobre os povos das três Américas já era percebida por Lima Barreto.
O autor esteve entre os que se posicionaram contra os poderosos de seu tempo, “razão por que a obra do escritor passou décadas marginalizada na cultura brasileira - inclusive na cultura escolar, em que até hoje não tem o devido reconhecimento”, segundo os professores Antônio Augusto Moreira de Faria e Rosalvo Gonçalves Pinto. Eles coordenam, na Faculdade de Letras da UFMG, o LinTrab - Grupo de Estudos em Linguagem, Trabalho, Educação e Cultura. O grupo reúne estudantes de graduação e pós-graduação que desenvolvem análise linguística de discursos sobre trabalhadores, principalmente discursos educacionais, históricos, jornalísticos e literários.
 
O livro de Lima Barreto é o segundo da série Antologias sobre Trabalhadores, produzida pelo LinTrab. A primeira antologia, Poemas brasileiros sobre trabalhadores, também está disponível online, no endereço eletrônico http://www.letras.ufmg.br/vivavoz/data1/arquivos/poemastrabalhadores-site.pdf. A divulgação das antologias pela internet tem como principal objetivo contribuir para a difusão dos textos, tornando-os facilmente acessíveis a trabalhadores, estudantes e demais interessados.
 

Serviço:
Obra: Lima Barreto - Antologia de artigos, cartas e crônicas sobre trabalhadores
Conteúdo: 25 artigos, cartas e crônicas de Lima Barreto que tratam da temática do trabalho e trazem trabalhadores como protagonistas
Organizadores: Antônio Augusto Moreira de Faria, Rosalvo Gonçalves Pinto (Coordenadores), Adriana Corrêa Costa David, Clarice Lage Gualberto, Denise dos Santos Gonçalves, Letícia Lucinda Meirelles, Luiz Paixão Lima Borges, Maria Juliana Horta Soares, Priscila Lopes Viana, Rosa Maria Saraiva Lorenzin

Poesia Negra em Foco convida o escritor José Carlos Limeirsa




O grupo de pesquisa EtniCidades: escritoras/es e intelectuais afro-latinas/os convida a tod@s para o evento Poesia Negra em Foco, no qual acontecerá a palestra com o poeta José Carlos Limeira.

LOCAL: LABIMAGEM (sala 8) - Instituto de Letras (UFBa)
HORÁRIO: 14:30h
DATA: 14/12/2012

domingo, 25 de novembro de 2012

UNILAB promove 6ª Mostra de Cinema Africano





Realização: 
 -Departamento de História/UFC
- Grupo de pesquisa “Trabalhadores Livres e Escravos no Ceará”. Diferenças e Identidades. (História/UFC)
- UNILAB

Parceria:
Cinemateca da Embaixada da França no Rio de Janeiro
Instituto Frei Tito de Alencar

Coordenação Geral: Prof. Franck Ribard e Túlio Muniz (História/ UFC) 

Contato: 6mostracinemaafricano@gmail.com
http://6mostradecinemaafricano.wordpress.com/
(85) 3366 7742 / 3366 7738
           
Levando em conta o difícil acesso à produção cinematográfica africana, num contexto geral (político, social, educacional...) de necessidade de abertura do Brasil para as realidades contemporâneas do continente africano, o grupo de pesquisa «Trabalhadores Livres e Escravos no Ceará. Diferenças e Identidades» do Departamento de História da UFC e a Universidade de Integração de Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), oferecem, em parceria com a Casa Amarela, a Cinemateca da Embaixada da França e o Instituto Frei Tito de Alencar, a programação da “VI Mostra de Cinema Africano – Oralidades Contemporâneas”, que acontecerá de 26 a 30 de Novembro de 2012 na Casa Amarela (UFC) e de 3 a 5 de Dezembro 2012 no Campus da Liberdade da UNILAB em Redenção. CE (acesso público e gratuito). A programação do evento conta com a projeção de 12 filmes, antigos ou mais recentes (ficções, documentários, curtas metragens), de diretores africanos. A Mostra deste ano aborda, de maneira diversa e a partir de realidades deslocadas e fragmentárias do continente, a temática das “Oralidades Contemporâneas” como modo de entrever a riqueza e a complexidade de “tradições vivas” que, entre a manutenção de memórias e o enfrentamento das problemáticas do dia a dia, declinam, na linguagem criativa dos cinemas africanos, a força da palavra e de vozes em busca de ser ao Mundo. O evento contará com a presença de convidados africanos e de debatedores especialistas para cada filme.


RESENHAS DOS FILMES
A brecha (La Brèche.Bélgica/França/Senegal, 2007).Documentário em Cores. Duração 32’. África. De Abdoul Aziz Cissé.
Em Saint-Louis, cidade construída no meio do delta do rio Senegal, é costume fazer, no nascimento de uma criança, oferendas aos gênios aquáticos. Estes são testemunhas da força da simbologia da água no imaginário dos moradores, que dedicam a ela rituais e cerimônias tratando de seu cotidiano. Desde o início dos anos 80, a chegada da infraestrutura para um maior controle da água põe em perigo o ciclo ecológico do delta.  

Angano... Angano... Contos de Madagascar (Angano... Angano... Nouvelles de Madagascar. Madagascar/França, 1989). De César Paes, Marie-Clémence. Documentário em Cores. Duração 65’.
Em Madagascar, país de tradição oral, a história se conta em poesia. A palavra é dada aos contadores para que eles falem sobre a origem e a história da ilha, dos seus habitantes, conhecidos pelos contos, mitos e lendas.

União Kiela. Dança das peixeiras do Sambizanga. (Angola, 2007.)Documentário em cores. Duração 25´. De
“A dança das peixeiras e quitandeiras do mercado do São Paulo marca o União Kiela, que começou a dançar o Carnaval em 1947, derivado de grupos como o Kabolota e o Peixinho do Mar”. (in http://www.angonoticias.com)

Keïta! a Herança do Griot ( Keïta! l'Héritage du Griot Burkina Faso, 1995).De Dani Kouyaté . Com Seydou Boro, Sotigui Kouyate, Abdoulaye Komboudri. Comédia dramatica em Cores. Duração 97’.
Enquanto dorme em sua rede, o contador de histórias Djeliba se vê em uma missão em um sonho. Ele deixou a cidade e se estabeleceu no jardim de uma família de classe média moderna. Mabo, a criança da família, é rapidamente intrigado com o velho griot , que prometeu contar a história do seu nome. Um nome que evoca uma história épica, a do fundador do Império de Mandinga, Sundiata Keita, o filho da mulher búfalo.

A História de Ségou. (La Geste de SégouMali/França, 1989). Animação em Cores. Duração 10’. De Mambaye Coulibaly.
Os sábios anunciaram ao Rei de Ségou, durante a época das chuvas, sobre o nascimento de um menino que seria uma ameaça para o seu poder. Em Macina, perto de Ségou, Fatoumata consulta um feiticeiro...

Samba, o Grande. (Samba le Grand. Nigéria/França, 1977).Animação em Cores. Duração 14’. De Moustapha Alassane.
As aventuras de um herói legendário que se deslumbra pela beleza de uma princesa e pede sua mão em casamento. Ela impõe a ele uma série de provas, que ele vence, mas apenas a morte acabará reunindo os dois jovens.

Fela Kuti – Music is trhe weapon  (França, 1984).De Stéphane Tchal-Gadgieff e Jean Jacques Flori. Doc. Em cores. 53 mn
Fela Anikulapo Kuti é para a música africana o que Bob Marley é para o reggae: Seu profeta. Todas as formas atuais de "Black Music" (do funk ao eletrônico) devem algo ao groove irresistível que ele criou: o Afrobeat. Durante sua vida, Fela nunca parou de gravar: Mais de 60 álbuns, todos míticos. Toda a sua carreira ele lutou contra a corrupção política no seu país de origem, a Nigéria, e foi muito querido por seu povo, que carinhosamente o chamava de "Presidente Negro"... 

Cuba, uma odisseia africana (Cuba, une odyssée africaine, França/Egito, 2007) PARTE 2. De Jihan El Tahri , Doc., 58’
O documentário faz uma análise de como a Guerra Fria afetou o continente Áfricano. Os soviéticos desejavam estender sua influência a um novo continente, os Estados Unidos aspiravam se apropriar das riquezas naturais da África e as antigas potências perdiam sua poder colonial. Nesse contexto, as jovens nações africanas defendiam sua independência há pouco adquirida   

O lendário “Tio Liceu” e os Ngola Ritmos. (Angola/Portugal. 2010). Documentário em cores. Duração 54´. De Jorge António
“De finais dos anos 40 aos dias de hoje, onde o passado e o presente se cruzam, este documentário é uma viagem ao universo criativo de Liceu Vieira Dias, “pai” da música popular angolana, e criador do grupo “Ngola Ritmos”. A originalidade do seu contributo foi permanente na história cultural e sócio-política de Angola” (in http://www.indielisboa.com).

Vibração na nossa cabeça (Ça vibre dans nos têtes. França/Togo, 2009).Documentário em Cores. Duração 52’. África. De Kassim Sanogo.
Em Karofina, o bairro underground de Bamako, os jovens cantam rap, fazem penteados, vendem roupas... Alguns vendem o que nem conhecem, mas uma coisa é certa: é no underground que existe a criação. As crianças comem, fumam e dançam rap de manhá até a tarde, sem parar.
           
Visages de femmes (Costa do Marfim, França, 1984). De Désiré Ecaré. Drama socíal em Cores. Duração 105’. 
No interior da Costa do Marfim, Nguessan, casada com um homem que ela não ama, se encanta com o irmão mais novo de seu marido que vem da capital. Uma outra camponesa, Fanta, também é apaixonada pelo rapaz e para se defender à seu marido ciumento ela aprende karatê. Em Abidjan, Bernadette, uma mulher inteligente, dirige um estabelecimento de poções mas ela se dá conta de sua vizinhança aproveita muito pouco dos benefícios que ela faz. Três retratos que mostram a luta cotidiana de mulheres africanas para obter um lugar justo dentro da sociedade.

Uma Risada a Mais (Un rire de trop Tunísia/França, 1999).Drama em Cores. Duração 17’.De Ibrahim Letaief.
Am Salah, cidadão comum, é vítima de uma brincadeira de mau gosto armada pela equipe de um programa de câmera escondida da televisão tunisiana. Após a difusão do episódio, sua vida vira um inferno: todo mundo ri dele nas ruas, fazendo com que ele tenha que se disfarçar para não ser mais reconhecido. Até que um dia ele é convidado ao estúdio da emissora, e faz uma  reviravolta no local dizendo todas as verdades não reveladas aos piadistas da televisão.


sexta-feira, 23 de novembro de 2012

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Zezito Araújo debate Consciência Negra no XIII Ígbà Seminário Afro-Alagoano - AL

 
O 20 de novembro foi um dia de festa para o povo negro. Festejar o grito da liberdade e uma consciência que vem sendo construída a duras penas. A consciência que, em alguns momentos, pontiaguda investiga desafios sociais, ocupando territórios do repensar espaços e ideologias.
Afinal, porque no mapa político do Brasil brasileiro a população negra ainda é detentora de direitos minoritários, mesmo sendo a maioria dessa mesma população ? Somos 50, 7%.
Afinal o que é essa consciência negra que não consegue abarcar a equidade humana entre os diferentes?
Para discutir a questão de uma forma ampla e participativa o Instituto Raízes de Áfricas convidou o professor Zezito Araújo, ex-secretário de Estado de Defesa e Proteção das Minorias, historiador e Coordenador do Curso de História do Centro Universitário CESMAC. A palestra acontece no XIII Ígbà- Seminário Afro-Alagoano: “O Povo Negro e as Memórias Ancestrais”, às 14 horas do dia 29 de novembro.
O XIII Ígbà O Povo Negro e as Memórias Ancestrais” é pautado numa perspectiva participativa e privilegia espaços para conteúdo prático, informação útil, mas também reflexão sobre postura e comportamento, debates, trocas de experiências.
E em sua realização conta com o apoio da Fundação Cultural Palmares, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI)/MEC,SENAC/AL, Secretaria de Estado da Saúde, AL/SESC-Alagoas, Federação das Indústrias do Estado de Alagoas,Secretaria de Estado da Educação e do Esporte, Secretaria de Estado do Turismo.
Sobre o Instituto Raízes de Áfricas
O Instituto Raízes de África, organismo social de ativismo negro, sediado em Alagoas, tem mantido a constância da implementação de políticas de interesse da população negra em sua região e, mais recentemente, executando atividades educacionais, culturais e de saúde da população negra em outros estados, como o III Ciclo Nacional de Conversas Negras “Agosto Negro ou o que a História Oficial Ainda Não Conta”, realizado de 22 a 24 de agosto, em Uberlândia, Minas Gerais e o lançamento da Cartilha Omirá dia 06/09, às 09hs, no Centro Cultural da Câmara ,em Salvador.
O Instituto conta com a colaboração de estudantes do Centro Universitário CESMAC, Isadora Aguiar do curso de História e Arleide Lima do curso de Pedagogia.
 
Serviço:
XIII Ígbà- Seminário Afro-Alagoano: O Povo Negro e as Memórias Ancestrais”
Dia: 29 de novembro
Horário: Das 08 às 17 horas
Local: Auditório Maron Emile Abi-abib, SESC- Poço
Maceió/AL
Inscrições: Gratuita/com direito a almoço no local
Certificação: 20 horas
e informações: (82) 8827-3656/3231-4201/8726-1559
Solicitação de inscrição: raizesdeafricas@gmail.com, bella.raizesdeafricas@hotmail.com

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Painéis resgatam negros ilustres, 'branqueados' pela história

Fonte: O Estado de S. Paulo

Retratos gigantes de afrodescendentes, como Castro Alves, são colocados em fachadas de prédios em São Paulo
Valéria França
 
No mês de novembro, as ruas paulistanas viram uma galeria a céu aberto, ao receber imensos retratos de brasileiros negros, que marcaram a história do País. Eles serão instalados em 20 prédios públicos e particulares, como o Theatro Municipal e o Instituto Itaú Cultural, em forma de banners de 5 metros de altura. Os primeiros retratos começaram a ser instalados ontem. A foto da compositora Chiquinha Gonzaga - que escreveu, entre outras canções, a marchinha Ó, Abre Alas - foi pendurada na Sala São Paulo, no centro, e a do engenheiro Teodoro Sampaio, fundador da Escola Politécnica, no Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista.

Essas mesmas fotos ainda serão espalhadas em 20 CEUs da capital, 11 pontos de atendimento do Poupatempo e 20 terminais de ônibus. A iniciativa é da secretarias de Cultura do Estado e do Município, que lançam a campanha Mês da Consciência Negra. As fotos ficam expostas na cidade até o final do mês.

Além de mexer com a cara da cidade, elas podem provocar polêmica, já que algumas das personalidades não são reconhecidas como afrodescendentes pelas famílias. “É o caso de Nilo Peçanha, que tinha mãe negra, mas a família nega a raiz africana”, diz Dagoberto José Fonseca, professor de antropologia, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), de Araraquara. Ele pesquisou cerca de 100 nomes de brasileiros negros importantes, que serviram de base para a escolha dos 20 finalistas. “Quando entreguei a lista, avisei que era polêmica.”

O fluminense Nilo Peçanha, elegeu-se vice-presidente de Afonso Pena em 1906 e, quatro anos depois, com a morte do presidente, assumiu seu posto. Na gestão de Peçanha, suas fotos foram retocadas para não transparecerem os traços marcadamente negros. “Nunca soube que Nilo Peçanha era negro”, diz o governador José Serra. “Para mim foi uma surpresa. Também não tinha idéia, até por ser de uma área distante da minha, que a Sociedade Brasileira de Psicanálise foi fundada por Virgínia Leone Bicudo, uma mulher negra.”

Fonseca explica que a sociedade brasileira promoveu e promove uma espécie de branqueamento da cultura negra. “Chiquinha Gonzaga, por exemplo, foi interpretada no seriado da TV Globo pela atriz Regina Duarte, a namoradinha do Brasil”, lembra. “Existe um jeito bem brasileiro de estabelecer o processo cromático. O Brasil sempre quis ser europeu, mas não é. Os portugueses que chegaram aqui eram miscigenados.” Pelos critérios da exposição da Secretaria da Cultura, até mesmo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que tem uma avó negra, poderia estar ali pendurado num prédio.

Uma forma escolhida por colégios particulares para mudar o jeito brasileiro de encarar a participação dos negros na sociedade foi inserir o assunto na grade. “Este ano, os alunos estão estudando a cultura africana antes da chegada dos europeus na África”, diz Onofre Rosa, coordenador pedagógico da Colégio Bandeirantes, no Paraíso, zona sul. A escola chegou a discutir se fazia algo especial para o Dia da Consciência Negra, 20 de novembro. “Achamos que poderia gerar preconceito e optamos por dar mais informações sobre o assunto o ano todo e não num dia só.”

Roteiro das fotos:

Clara Nunes, cantora, 1943-1983- BM&F - Pça Antonio Prado, 48 (Centro)

Carolina de Jesus , escritora, 1914-1977- Bovespa - R. XV de Novembro, 275 (Centro)

Virgínia Leone Bicudo, psicanalista, 1915-2003 - Centro Cultural Banco do Brasil - R. Álvares Penteado, 112 (Centro)

Gonçalves Dias, poeta, 1823-1864- Museu da Língua Portuguesa - Estação da Luz (Centro)

Mario de Andrade, símbolo dos modernistas de 1922, 1893-1945 -

Secretaria do Estado da Educação - Praça da República, 53 (Centro)

Milton Santos, geógrafo, 1926-2001- Fatec - SP - Av. Tiradentes, 615 (Centro)

Cruz e Souza, poeta, 1861-1898- Biblioteca Mário de Andrade - R. da Consolação, 94 (Centro)

Carlos Gomes, maestro e compositor, 1836-1896- Theatro Municipal de São Paulo - Pça Ramos de Azevedo (Centro)

Lima Barreto, escritor, 1881-1922 - Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos - Lgo Paissandu (Centro)

Chiquinha Gonzaga, compositora, 1847-1935 - Sala São Paulo - R. Mauá, 51 (Centro)

Luiz Gama, advogado abolicionista, 1830-1882 - Secretaria de Estado da Justiça - Pátio do Colégio, 148 (Centro)

José do Patrocínio, jornalista abolicionista, 1853-1905 -Secretaria do Estado da Justiça - Pátio do Colégio, 184 (Centro)

Leônidas da Silva (conhecido como Diamante Negro), jogador de futebol, 1913-2004 - Museu Paulista - Parque da Independência
(Ipiranga)

Juliano Moreira, médico, 1873-1933- Mercado Municipal Paulistano - R. da Cantareira, 306 (Centro)

André Rebouças, engenheiro, 1838-1898 - Incor - Av. Dr Enéas de Carvalho Aguiar , 44 (Pinheiros)

Teodoro Sampaio, engenheiro, 1855-1837- Masp - Avenida Paulista, 1578 (Jardins)

Machado de Assis, escritor, 1839-1908- Centro Cultural Vergueiro - R. Vergueiro, 1000 (Paraíso)

Castro Alves, poeta abolicionista, 1847-1871- Detran - Av P.
Álvares Cabral, 1301 (Ibirap.)

Geraldo Filme, sambista, 1928-1995- Memorial da América Latina - Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664 (Barra Funda)

Nilo Peçanha, presidente da República, 1867-1924 - Inst. Itaú Cultural - Av. Paulista, 149 (Paraíso)

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

1º Seminário Percepções da Diferença - SP

Promoção:
- Programa de Pós Graduação em Direito ? Área de Direitos Humanos ? da
Faculdade de Direito da USP
- Núcleo de Apoio à Pesquisa em Estudos Interdisciplinares (NEINB)
sobre o Negro Brasileiro - USP

Data: Dia 9 de dezembro de 2009 - quarta-feira
Local: Auditório XI de Agosto
Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo
Prédio Anexo - Térreo

Programação
9 horas
Mesa de Abertura
Professor João Grandino Rodas (Diretor da FDUSP)
Professora Monica Herman Caggiano (Presidente da Comissão de Pós
Graduação da FDUSP)
Professor Calixto Salomão (Coordenador da Área Direitos Humanos dos
Cursos de Pós Graduação - FDUSP)
Professora Eunice Aparecida de Jesus Prudente (Coordenadora do Núcleo
de Apoio à Pesquisa e Estudos interdisciplinares sobre o Negro
Brasileiro - NEINB)

10 horas
1º Tema
OS DIREITOS HUMANOS NO CONTEXTO DA DIVERSIDADE CULTURAL
Expositores
Professor Kabenguele Munanga (Coordenador do Centro de Estudos
Africanos da FFLCH/USP)
Professora Gislene Aparecida Santos (EACH/USP e Neinb)
Professora Dilma Melo Silva (ECA/USP e Neinb)
Debatedores
Professor Renato Gomes (Instituto Luiz Gama)
Pesquisadora Isis Aparecida Conceição ( NEINB/USP)
Pesquisadora Sandra Regina do Nascimento Santos (NEINB/USP)

14 horas
2º Tema
EXCLUSÃO SOCIAL E RACIAL E PERSPECTIVAS DE AÇÃO
Expositores
Professor Calixto Salomão (Coordenador Área Direitos Humanos CPG/FDUSP)
Professor Dennis de Oliveira (ECA/USP e Neinb)
Professor Aliysson Leandro Mascaro (Departamento de Filosofia eTeoria
Geral do Direito FDUSP)
Debatedores
Professor Ricardo Alexino (ECA/USP)
Professor Silvio Almeida (Instituto Luiz Gama)

17:00 horas
Conferência de Encerramento
Tema: A ESCRAVIDÃO NO BRASIL
Professor Fabio Konder Comparato (FD/USP)

18:30 horas
Lançamento da Coletânea Percepções da Diferença ? Negros e Brancos na Escola
Museu Visconde de São Leopoldo
1º andar
Apresentação
Professora Gislene Aparecida Santos
Professor Luiz Silva Cuti
Professora Antonia Quintão Cezerilo
Professora Rosângela Malachias

19:30 horas
Coquetel
Saguão do 1º andar

Apoio Cultural
Editora Terceira Margem
CELACC - Centro de Estudos Latinoamericanos de Cultura e Comunicação
Instituto Abya Yala de Estudos de Cultura e Comunicação da América Latina

INSCRIÇÕES
Gratuitas pelo Fone: 30914327 / CELACC com Sr. Gerson ou pelo
e-mail:
seminarioneinb@ gmail.com

(Somente terão direito a Certificado com oito horas os participantes
devidamente
inscritos)

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Seminário "Respeitem meu resguardo!" - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)
 
O Recôncavo da Bahia é o berço nacional da cultura negra, por aqui a afrocentricidade é marcada nos corpos, nos gestos, nos costumes. A cidade de Cachoeira é conhecida e exaltada pela resistência religiosa e pelo culto às religiões de matrizes africanas, é neste celeiro de resistência e fé à ancestralidade negra, que o Núcleo de Negras e Negros Estudantes da UFRB – Núcleo Akofena, convida a toda(o)s para participarem do I Seminário Novembro Negro: Respeite Meu Resguardo.
Trata-se de um evento de natureza política e acadêmica que tem por finalidade fomentar discussões a cerca do racismo religioso sofrido pelo Povo de Santo dentro das Universidades brasileiras.
A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) é referência no que tange as políticas afirmativas e de inclusão social do povo negro e pobre. Por isso, é nossa obrigação na construção de uma Universidade afrocentrada pensar o povo de santo e suas especificidades religiosas nas estruturas acadêmicas.

MCPS realiza a 9ª Marcha em exaltação ao Dia da Consciênci​a Negra - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

O MAFRO E VOCÊ: Um encontro marcado no mês da Consciência Negra - BA

Em comemoração ao mês da Consciência Negra, o Museu Afro-Brasileiro da Universidade Federal da Bahia – MAFRO – (tel: 71 3283-5540) promove de 5 a 30 de novembro um conjunto de atividades no Encontro O MAFRO E VOCÊ para celebrar esse momento com a sociedade baiana e, principalmente, as comunidades negras, religiosas e culturais da cidade do Salvador. Com apresentação do Projeto Luminotécnico da Sala Carybé, no dia 5, o evento segue em sessões semanais, sempre a partir das 16h30, envolvendo mesa redonda, painéis de discussão, apresentação de audiovisual e atrações musicais, a programação tem confirmadas as participações de lideranças religiosas, professores e estudantes. Entre os temas de abordagem estão na pauta o perfil do MAFRO e seus projetos de conservação e documentação, a relação com os terreiros de candomblé e histórias de vida. A coordenadora Graça Teixeira informa que o acesso &eacut e; livre a todos os interessados em conhecer ou aprender um pouco sobre a cultura afro-brasileira e que as atividades foram pensadas para contemplar as diversas linguagens, facilitar a participação das pessoas e espaços pouco visibilizados na cidade e estreitar laços com a comunidade negra. As inscrições serão realizadas no local do evento e serão conferidos certificados aos participantes que obtiverem 75% de presença. As vagas são limitadas.

Onde: Sala de Carybé (MAFRO)
Quando: 5 a 30 de novembro de 2012, 16h30
Quanto: Grátis
Tel:
71 3283-5540
Email: mafro@ufba.br
Site:
http://www.mafro.ceao.ufba.br
Realização: MAFRO/FFCH/UFBA

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Bate papo Afro - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

II Semana da Consciência Negra - PI

 
(Clique na imagem para ampliá-la)

Lançamento da coletânea "Personalidades negras" - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

Exposição fotográfica "Diáspora revelada", de Fafá M. Araújo - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

domingo, 11 de novembro de 2012

III Seminário Internacional de Cultura Afro e Indígena - RS




(Clique nas imagens para ampliá-las)

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Mini-Curso: Black Thought – African-Americans

A partir de 13/11/2012
Parceria Profa. Kátia Santos e Centro de Documentação Coisa de Mulher:
No formato de Encontros, para a discussão de assuntos
relacionados à experiência negra nos Estados Unidos, essa terceira edição do curso será conduzida em inglês e português para que, ao pensarmos o Brasil no contexto da Diáspora Negra, tenhamos como garantir os diálogos e reflexões entre/das, duas línguas, entre os dois contextos negros. Mas todo o material utilizado será ainda em inglês: textos, filmes (com legendas em inglês), músicas e etc.
Serão 16 horas de total imersão em textos acadêmicos, jornalísticos, literários, envolvendo Política, História, Cultura Popular, Cultura Geral, Música, Feminismo, etc.
Estes serão os temas dos encontros:
- From Civil Rights to the Obama Era
- African-American Women
- African-American Family and community
- AF-AM Culture, Literature, Music & Pop Culture
IMPORTANTE: este não é um curso de inglês. Esse é um curso que pode complementar os estudos da língua inglesa para pessoas que já leiam em inglês e que desejem praticar a conversação e compreensão
na/da língua.
 
Público Alvo: Pessoas que já leiam ou que estejam desenvolvendo o hábito de ler em inglês e que se interessem pelas discussões acerca dos Estudos de
Cultura e Literaturas da Diáspora Negra.
 
Objetivos: A ideia motivadora deste curso é fornecer material e outras reflexões para a formação de especialistas em Estudos de Culturas e Literaturas
da Diáspora Negra tendo, neste primeiro momento, o contexto African- American como ponto de partida. Assim, esta é, também, uma forma de exercitar e agregar o domínio da compreensão de textos escritos em inglês aos interesses culturais, profissionais dos que precisam ter esta língua estrangeira como ferramenta de trabalho.

Responsável:
Profª Pós-Drª Katia Santos
Pós-doutora em Estudos Culturais pelo PACC/UFRJ,
Drª em Literatura pela Universidade da Geórgia, com especialização em Estudos da Diáspora Negra com foco na Cultura e Literaturas dos Negros Estadunidenses, e Tradutora por formação.
Quando: 4 terças-feiras: 13 e 27 de novembro, e 4 e 11 de dezembro.
Horário: 14h às 18h
Número máximo de participantes: 12 (dez)
Número mínimo de participantes: 05 (cinco)
Investimento total: R$ 120,00
Local: na sede do Centro de Doc. Inf. Coisa de Mulher, no Palácio das ONGs, na Av. General Justo, 275-A, Sala 203B, Castelo, Centro, RJ.

Maiores informações:

CENTRO COISA DE MULHER
Av. General Justo, 275-A, Sala 203-B,
Castelo,
Rio de Janeiro, RJ, Cep:20220-030 Tel:(21)2262-0740
Atendimento Externo: 12:00 às 18:00 horas.

Começa hoje o "I Encontro das Culturas Negras" - BA


Programação completa disponível em: http://www.cultura.ba.gov.br/encontrodasculturasnegras/atracoes.pdf