SEGUIDORES DO BLOG




CALENDÁRIO NEGRO - ABRIL

1 – Criação do Partido dos Panteras Negras, EUA (1967)

1 – Nasce no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro, o cantor e compositor Antônio Moreira da Silva - Kid Morengueira, famoso pelo jeito muito próprio de cantar o samba de breque. Fez sucesso com sambas antológicos como: "Acertei no Milhar", "O Rei do Gatilho" e "Na Subida do Morro" (1902)
1 – Tem início em Dacar, Senegal, o I Festival Mundial de Arte Negra (1966)
2 – Nasce em Santa Maria da Vitória (BA), o famoso escultor de carrancas do Rio São Francisco, Francisco Biquiba dy Lafuente Guarany. (1882)
2 – Nasce em Washington (EUA), o cantor, compositor, baterista, pianista, arranjador e produtor Marvin Gaye. Faz parte de seu repertório, sucessos como: "What's Going On", "Let's Get It On", "Sexual Healing" (1939)
2 – Criação no bairro de Madureira (RJ), do Grupo Afro-Cultural Agbara Dudu, que em iorubá significa "força negra", o mais antigo bloco-afro do Rio de Janeiro (1982)

2 – Nasce Dener Augusto de Sousa, o Dener, famoso jogador de futebol morto precocemente num acidente automobilístico (1971)
3 –
Martin Luther King Jr. profere seu discurso I've Been to the Mountaintop (Eu estive no topo da montanha), na sede da Igreja Mundial de Deus em Cristo, em Memphis, Estados Unidos (1968)

3 – Nasce nos Estados Unidos, o ator Eddie Murphy (1961)

3 – Nasce em São Paulo/SP, Mauro Mateus dos Santos, o compositor, cantor e ator brasileiro Sabotage (1973)

4 – Tem início em São Paulo, o I Encontro de Padres e Bispos Negros (1989)
4 – Nasce nos Estados Unidos, o ator e produtor Eddie Murphy (1961)
4 – Nasce em Rolling Forks, Mississipi (EUA), o músico e cantor de blues Mckinley Morganfield - Muddy Waters, um dos maiores mestres do blues urbano (1915)
4 – Independência do Senegal. (1960)
4 – Nasce em Lins/SP, Nelson Prudêncio, professor e atleta de salto triplo, ganhador de várias medalhas: uma medalha de prata nas Olimpíadas de Verão de 1968, na Cidade do México, uma medalha de bronze nas Olimpíadas de Verão de 1972, em Munique, uma medalha de prata nos Jogos Panamericanos de 1967, no Canadá, e uma medalha de prata nos Jogos Panamericanos de Cali, Colômbia, em 1971 (1944)

5 – Nasce nos Estados Unidos, o educador Booker T. Washington (1856)

5 – Nasce em Salvador (BA), Vicente Ferreira Pastinha - Mestre Pastinha, considerado o maior guardião da capoeira angola (1889)
5 – Nasce o compositor Joaquim Maria dos Santos, Donga, autor de “Pelo telefone”, primeiro samba gravado (1890)

6 – Nasce em Kinshasa/República Democrática do Congo, Fabrice Ndala Muamba, ex-jogador de futebol do Arsenal e Birminghan. Em 2012, teve um mal súbito, ficou com o coração parado por 78 minutos e sobreviveu (1988)
7 – Nasce em Baltimore (EUA), a cantora imortal, Billie Holiday, consagrada através de canções como: "Strange Fruit", "God Bless the Child", "Solitude", "My Man", "Don't Explain", entre outros (1915)

7 – Nasce Antônio Carlos Bernardes Gomes, o Mussum, músico, ator e humorista brasileiro, integrante do grupo Os Trapalhões (1941)
7 – Dia da Mulher Moçambicana - Em homenagem a Josina Mutamba Machel, comandante do destacamento de mulheres da FRELIMO e chefe de Assuntos Sociais do Departamento de Assuntos Exteriores de Moçambique
8 – A atriz Ruth de Souza recebe em Brasília a Comenda do Grau Oficial da Ordem do Rio Branco da República Federativa do Brasil, por sua contribuição ao cenário artístico brasileiro (1988)
9 – Nasce em Princeton (EUA), o ator e cantor Paul Bustill Robeson, Paul Robeson (1898)
9 – Nasce no Rio de Janeiro, o ator Haroldo de Oliveira (1942)
10 – Nasce na cidade de Pirapetinga (MG) o cantor Mário Souza Marques Filho - Noite Ilustrada (1928)
10 – Fundada no Rio de Janeiro, tendo como idealizador o Maestro Abgail Moura, a Orquestra Afro-Brasileira (1942)
11 – Em correspondência a Nina Rodrigues, o Dr. Remédios Monteiro externava sua opinião de que "...a raça negra tende a desaparecer em Santa Catarina por efeito do clima: as crianças anemiam-se, escrofulizam-se e tuberculizam-se enquanto as que não são de tal origem criam-se bem". (1899)
11 – Nasce em Pernambuquinho (RN), a escritora, militante do Movimento Negro em Pernambuco, Inaldete Pinheiro de Andrade, autora de "Cinco cantigas pra você contar", "Pai Adão era nagô", "Palavras de mulher" (1946)
12 – Nasce nos Estados Unidos o bailarino William Henry Lane - Juba, responsável por lançar as bases do sapateado, gênero de dança que consagrou artistas como Fred Astaire e Gene Kelly (1804)
13 – Nasce no Rio de Janeiro, a poetisa, cantora e compositora Yvonne Lara da Costa, D. Ivone Lara, primeira compositora de escola de samba a ganhar projeção com suas canções. (1921)
14 – Dia Mundial do Café, planta de origem etíope que foi a segunda mercadoria mais negociada no mundo por valor monetário, na década de 1980.

15 – Nasce no Rio de Janeiro o compositor e maestro Antônio Francisco Braga. (1868)

15 – Nasce, em São Lourenço da Mata/PE, José Albertino da Silva, o Caju, da dupla de embolada (1962)
16 – Decretada a abolição dos escravos no Distrito de Colúmbia (EUA). (1862)
16 – Nasce em Manhumirim (MG), o escritor e roteirista Júlio Emílio Braz, autor de "Saguairu", "Zumbi - O Despertar da Liberdade" e "Felicidade não tem cor" (1959)
17 – Nasce em Salvador/BA, Hyldon de Souza Silva, o produtor, guitarrista, baixista, compositor e cantor Hyldon, um dos maiores nomes do soul no Brasil (1951)

18 – Independência do Zimbabue. (1980)
18 – Inicia-se em Belo Horizonte, o II Encontro Nacional do MNU.
19 – Criação no Rio de Janeiro, do Grupo Negrícia - Poesia e Arte de Crioulo (1982)

19 – Nasce no Rio de Janeiro/RJ, Ronaldo Jorge Silva, o cantor, compositor e dançarino Naldo Benny (1979)
20 – Fundação no bairro de Miguel Couto, Nova Iguaçu (RJ), pela ialorixá Mãe Beata de Iemanjá, a Comunidade Terreiro Ilé Omi Oju Arô (casa da água os olhos de Oxossi) (1985)
20 – Nasce em Nogales, Arizona (EUA), o compositor Charles Mingus (1922)
21 – Nasce em Juiz de Fora/MG, Jorge Luís Andrade Silva, o ex-jogador e treinador de futebol Andrade, um dos jogadores que mais conquistaram o Campeonato Brasileiro de futebol (1957)

22 – Nasce o cantor e compositor Aldacyr Evangelista de Mendonça - Aldacyr Louro (1926)
23 – Dia consagrado ao orixá Oxóssi
23 – Nasce em Salvador ( BA), a negra Hilária Batista de Almeida, Tia Ciata ou Asseata, uma das tias baianas do samba carioca (1854)
23 – Nasce, em Alagoas, o escritor Jorge de Lima, um dos expoentes da poesia de temática afro-brasileira (1895)
23 – Nasce no bairro da Piedade (RJ), o compositor e músico Alfredo da Rocha Viana Júnior - Pixinguinha. Ganhou a imortalidade compondo músicas como: "Ingênuo", "Lamento", "Rosa" e "Carinhoso" (1897)
23 – Nasce em Juiz de Fora (MG), o cantor e compositor Geraldo Theodoro Pereira - Geraldo Pereira, autor de: "Acertei no Milhar", "Falsa Baiana", "Sem Compromisso" (1918)
23 – A cantora Elisete Cardoso, aos 5 anos de idade estréia como cantora na Sociedade Familiar Dançante e Carnavalesca Kananga do Japão (1926)
23 – Nelson Mandela, aos 47 anos, é condenado. Sua brilhante defesa não o livrou da prisão perpétua. Foi levado para a Ilha de Robben, prisão de segurança máxima para presos políticos (1964)
24 – Fundação em Belém (PA) do Club Amazônia, com o objetivo específico de organizar e promover a abolição da escravatura no vale do Amazonas (1884)
25 – Nasce em Newport New, Virgínia (EUA), a cantora de jazz Ella Fitzgerald, uma das musas da canção americana (1918)
25 – Nasce em Indianola, Mississipi (EUA), o cantor e guitarrista Albert Nelson - Albert King, um dos grandes expoentes do blues (1923)
25 – Nasce em São Paulo (SP) o cantor Agostinho dos Santos (1932)
25 – Criado no Pelourinho, Salvador (BA), o Bloco-Afro Cultural Olodum (1979)
26 – Festa Nacional da Tanzânia (1964)
26 – Iniciam-se as primeiras eleições multirraciais na África do Sul (1994)
26 – Nasce Benedita da Silva, primeira mulher negra a ocupar o cargo de governadora (1942)
27 – Independência do Togo (1960)

27 – Independência de Serra Leoa (1971)
27 – Nasce no Rio de Janeiro/RJ, a atriz e artista plástica Iléa Ferraz (1960)
27 – Fundação no Rio de Janeiro, do G.R.E.S. Arrastão de Cascadura. Cores: verde e branco (1973)
27 – Dia Nacional da Empregada Doméstica
27 – Realiza-se na África do Sul, a primeira eleição nacional livre sem a utilização de critérios raciais (1994)
Com o apoio maciço da população negra sul-africana, que pela primeira vez na história do país comparece às urnas para escolher seus representantes, o CNA - Congresso Nacional Africano conquista 62,6% dos votos e o líder Nelson Mandela é eleito presidente da África do Sul
28 – No bairro de Guaianazes, São Paulo, o trabalhador Robson Silveira da Luz, é morto vítima das torturas policiais. Este fato, aliado a outros, levou a criação do Movimento Negro Unificado. (1978)
28 – A Ialorixá Mãe Stella de Oxóssi recebe da Câmara Municipal de Salvador (BA) a Medalha Maria Quitéria, a mais alta comenda concedida à mulheres de destaque na Bahia (1995)
29 – Nasce em Washington, D.C. (EUA), o músico Edward Kennedy Ellington - Duke Ellington (1899)
30 – Nasce em Salvador (BA), o compositor Dorival Caymmi, autor de "O que é que a baiana tem ", "O Mar", "Dora", "Acalanto", "Oração de Mãe Menininha" (1914)

.

Pesquisa personalizada

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Lançamento do livro "O negro encena na Bahia" - BA

   O quê: Lançamento Coletivo EDUFBA 
Quando: 09 de maio, quarta-feira, das 17h30 às 20h30 
Onde: Biblioteca Universitária de Saúde Professor Álvaro Rubim de Pinho (Campus Canela, UFBA – Rua Basílio da Gama, s/n, Canela)
Quanto: entrada gratuita.

O negro encena a Bahia
Autora: Luna Nery
Esta é a primeira obra da Coleção Temas Afro, que traz na capa de seus livros uma ilustração da artista baiana Goya Lopes. A proposta desta publicação é analisar as representações étnicas em longas-metragens de ficção baianos. Ressaltando o negro, mas sem excluir outros grupos, Nery trata de um contexto em que negros, brancos e mestiços estão implicados socialmente. A análise apresentada tem como ponto de partida uma abordagem sociológica e examina, além do discurso falado, questões como o cenário, a trilha sonora e ações gestuais presentes nas obras. Os filmes analisados foram: Barravento, O Anjo Negro, Tenda dos Milagres, Cidade Baixa e Ó Paí, Ó.
Preço de lançamento: R$ 22,00

Diáspora Center promove cursos gratuitos no Pelourinho - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

Pesquisadores da UFMG celebram o Dia Internacional do Trabalho com antologia eletrônica de poemas sobre trabalhadores

    O Dia Internacional do Trabalho está chegando. Para celebrar a data, algo adequado na Faculdade de Letras é divulgar sistematizadamente uma parte da cultura que faz de trabalhadores, personagens do povo, os protagonistas de muitos versos. Poemas brasileiros sobre trabalhadores: uma antologia de domínio público tem justamente este foco. A obra inclui textos de Alvarenga Peixoto, Augusto dos Anjos, Castro Alves, Cruz e Souza, Fagundes Varela, Luiz Gama, Machado de Assis, Maria Firmina dos Reis, Olavo Bilac, Tomaz Antônio Gonzaga e Vinicius de Moraes.
 
    São autores que faleceram há 70 anos ou mais, e por isto suas obras são legalmente consideradas de domínio público. A exceção é Vinícius de Moraes (1913-1980), cujos herdeiros de direitos autorais liberaram antecipadamente parte da obra, para publicações sem fins comerciais, por meio da Coleção Brasiliana (www.brasiliana.usp.br) do Instituto de Estudos Brasileiros sediado na USP. Poemas, crônicas e canções do “poetinha” podem ser encontrados também no sítio eletrônico www.viniciusdemoraes.com.br.
 
    A antologia de poemas foi organizada por pesquisadores da UFMG que desenvolvem na Faculdade de Letras há três anos análise linguística de discursos sobre trabalhadores, incluindo o discurso literário, além do jornalístico, do histórico e do educacional. Coordenado pelos professores Antônio Augusto Moreira de Faria e Rosalvo Gonçalves Pinto, o LINTRAB (Grupo de Estudos em Linguagem, Trabalho, Educação e Cultura) envolve estudantes de graduação, que fazem sua iniciação científica, e de pós-graduação. 
    Como destacam os coordenadores do projeto na introdução do livro, “o trabalho humano consolida hábitos, valores, crenças – cultura, enfim”. Daí a importância de estudar textos que tragam em primeiro plano os personagens trabalhadores e a temática do trabalho. A distribuição gratuita na internet, por sua vez, busca contribuir para a difusão dos textos, tornando-os facilmente acessíveis aos próprios trabalhadores, como também a estudantes e outros interessados no assunto.
 
Informaçõeslintrab@ufmg.br
 
Livro: Poemas brasileiros sobre trabalhadores: uma antologia de domínio público
Organizadores: Antônio Augusto Moreira de Faria, Rosalvo Gonçalves Pinto (professores coordenadores), Fernanda Barbosa Moraes, Fernanda Gonzaga, Júlia Batista Castilho de Avellar, Letícia Lucinda Meirelles, Lucas Morais Retes, Luciana Martins Arruda, Luísa Gaspar Andrade, Luiz Paixão Lima Borges, Maria Juliana Horta Soares, Pauliane Santos Coelho, Priscila Lopes Viana e Rosa Maria Saraiva Lorenzin (estudantes).
Edição: Faculdade de Letras da UFMG - Coleção Viva Voz (Laboratório de Edição - LABED), 2011
Disponibilizada gratuitamente no endereço eletrônico:

sábado, 28 de abril de 2012

"XI Ígbà Seminário Afro-alagoano", de 15 a 17 de maio - AL

Com certificação de 30 horas o XI Ígbà, em Alagoas, será realizado entre os dias 15 e 17 de maio.
Acontece de 15 a 17 de maio, em Maceió, AL, o XI Ígbà- Seminário Afro-Alagoano: “O Estatuto da Igualdade Racial e as Possibilidades para o Exercício Legal das Políticas de Promoção para a Igualdade Racial, no Brasil”.
Como política de formação continuada, o XI Ígbà- Seminário Afro-Alagoano celebra o 13 de maio,Dia Nacional de Denúncia Contra o Racismo, e tem como objetivo socializar ,discutir,como dever do Estado, a aplicabilidade das bases jurídicas do Estatuto da Igualdade Racial, regulamentando a Constituição Federal ,com relação à proteção e promoção dos direitos constitucionais da população negra, potencializada em mais de 51, 2 % da população brasileira.
Uma realização do Projeto Raízes de Áfricas com apoio do Ministério de Educação (Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI), Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República, Ministério da Cultura (Fundação Cultural Palmares), Federação das Indústrias do Estado de Alagoas, Superintendência do Porto de Maceió, Secretaria de Estado da Mulher da Cidadania e dos Direitos Humanos, Secretaria de Estado da Saúde e Secretaria de Estado da Educação, o XI Igbà traz a Alagoas representantes de diversos ministérios, movimento negro, juventude negra, dentre outros.
 
MC Soffia faz apresentação no XI Ígbà.
A menina Soffia Gomes da Rocha Gregório Correia tem 8 anos, nasceu em São Paulo,berço do hip hop brasileiro,estuda no Projeto Ancora e tem inúmeros hobbies :andar de skate,fazer circo , cantar , dançar e capoeira.Soffia é conhecida como MC Soffia, uma menina considerada por muitos como o futuro do hip hop. Recentemente apresentou-se no Programa da Eliana, no SBT, como também no Top Five Programa CQC, na TV Bandeirantes.
Foi a partir de uma oficina de Mcs no evento de Hip Hop para crianças chamado “O Futuro do Hip Hop”, projeto idealizado pela DJ Vivian Marques que a menina Soffia percebeu seu potencial de artista e a importância da música para transmitir mensagens de reflexão e reivindicação.
Aos 8 anos, MC Soffia tem 1 ano de carreira e já realizou vários shows em São Paulo. A pequena tem consciência da história negra e, é convidada especialíssima do Projeto Raízes de Áfricas para o XI Igbà- Seminário Afro-Alagoano: “O Estatuto da Igualdade Racial e as Possibilidades para o Exercício Legal das Políticas de Promoção para a Igualdade Racial, no Brasil”, que acontece de 15 a 17 de maio, em Maceió, Alagoas.
Além de cantar Mc Soffia participará de uma mesa de discussão denominada Hip-hop minha cultura de ser criança.

Serviço:

XI Ígbà- Seminário Afro-Alagoano:
“O Estatuto da Igualdade Racial e as Possibilidades para o Exercício Legal das Políticas de Promoção para a Igualdade Racial, no Brasil”.

Locais:

Dia 15/17-
Teatro Abelardo Lopes/SESI- Galeria Arte Center. Av. Antonio Gouveia, 1113- Pajuçara/Maceió, AL.
Dia 16
- Auditório térreo da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas.
Palmares/Alagoas.

Inscrição para participação: Gratuita

Taxa de inscrição com certificação de 30 horas
: R$:10.00 (dez reais)
Informações:(82)8827-3656/3231-4201
E-mail:
raizesdeafricas@gmail.com

Inscrição:

Arleide Lima
- Centro Universitário CESMAC- 8815-9637
Andressa Medeiros
- Faculdade Integrada Tiradentes- 8878-0999/9625-8067
Isadora Aguiar-
Centro Universitário CESMAC-8826-1559
Laura Antunes-
Universidade Federal de Alagoas- 8828-1736
Walber Silva-
Faculdade Estácio de Sá- 8897-1736-9606-0797

Programação (em processo de ajustes)
Dia 15 de maio

14 horas

Abertura Solene:
Composição de mesa
Abertura afro-artística:
Mc Soffia- Rapper paulista de 8 anos, considerada o futuro do hip hop
15 horas

O Estatuto da Igualdade Racial e as Possibilidades para o Exercício Legal das Políticas de Promoção para a Igualdade Racial, no Brasil.
Ministério da Educação/SECADI- confirmado
Ministério da Igualdade Racial
Ministério da Cultura- Fundação Cultural Palmares- confirmado
Ministério dos Direitos Humanos
Ministério da Saúde
Mediação: Ana Luiza Monteiro Alves- Juventude negra do estado do Rio de Janeiro
18h30-
VII Festival Alagoano das Palavras Pretas
Abertura afro-artística:
Mc Soffia- Rapper paulista de 8 anos, considerada o futuro do hip hop
Poesias pretas, palavras faladas, poesias cantadas.
Cinthia Annieli canta Clara Nunes
20 horas:

Lançamento literário:
O Racismo é um Camaleão Poliglota- Crônicas de Palmares
Apresentação: Editora Ética
22 horas:
Encerramento

16 de maio
9h00-
Palestra I
O Androcentrismo do Estado, o racismo, os genocídios e os mal disfarçados preconceitos nacionalistas.
9h30
- Debate
10h00-
Palestra II
A Escravatura como Estrutura Basal na Fundação da Miscigenada Nação Brasileira. Uma discussão.
10h30
- Debate
11h00-
Palestra III
Qual a origem do silêncio do Estado-nação sobre o extermínio da juventude negra? Guerra Civil? Guerra Incivil? Um enfoque.
Ana Luiza Monteiro Alves- Juventude negra do estado do Rio de Janeiro
11h30-
Debate
Pausa para almoço
14h00-
Roda de Conversas:
O que pensa a escola sobre o 13 de maio?
17h30-
Encerramento

17 de maio
9h00- Apresentação:
Africanizando a Internet: Aprenda HTML & Crie Sites
Onde: Grupo do Facebook.
Quanto? Gratuito
10h00
- Debate
10h30-
Palestra
A participação dos negros no processo de formação política do país. Perspectivas e possibilidades para eleição de 2012.
10h30
- Debate
12h00
- Pausa para almoço
14h00- Roda de Conversas
Palestra I-
A cor da adoção como valor social e identitário entre iguais. Para onde vão as crianças pardas-negras?
15h00-Palestrinha
Hip-hop minha cultura de ser criança.
Soffia Gomes da Rocha Gregório Correia, estudante, 8 anos, conhecida como MC Soffia, de São Paulo. Fez apresentação no Programa da Eliana no SBT e TV Bandeirantes Top Five Programa CQC
Coordenação de mesa: Camila Pimentel
16h00- Afroapresentações.

FONTE: Raízes da África

Seminário Desenvolvimento Sustentável e Erradicação da Pobreza pela ótica do Movimento Negro - RJ


Organização: Comitê Facilitador do Movimento Negro Brasileiro para a Rio +20
Apoio: Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR)
Data: 28 e 29 de Abril de 2012
Local: Arcos Rio Palace Hotel, Avenida Mem de Sá  117, Lapa, cidade do Rio de Janeiro

Programação

Dia 28 de abril

 10:00h às 11:00h - Mesa 1 Os temas da Conferência  Rio+20

                        Palestrantes: um(a) representante da SEPPIR
                                     um(a) representante do Ministério do Meio Ambiente (MMA)
 

11:00h às 13:00h - Mesa 2 Da Eco 92 a Cúpula dos Povos e a Rio +20: perspectivas do Movimento Negro

Palestrante:    Moema Miranda, do Comitê Facilitador da Sociedade Civil      
                           Brasileira para a Rio +20
Debatedores:  Gilberto Batista  Campos, do Círculo Palmarino;
                          Francisco das Chagas Silva (Professor Chiquinho), da Rede
                          Amazônia Negra


13:00h às 15:00h - Almoço


15:00h às 18:00h - Mesa 3 O conceito de Desenvolvimento Sustentável e Erradicação da Pobreza pela ótica do Movimento Negro

Palestrantes:  Angela Gomes, do Movimento Negro Unificado (MNU/MG);                                        Eron Bezerra, da União de Negros pela Igualdade                                        (UNEGRO/AM);
                          Marcos Cardoso, da Coordenação Nacional de Entidades                             Negras (CONEN/MG)
                      


19:00h às 21:00h - Jantar

Dia 29 de abril


10:00h às 12:00h - Mesa 3 Participação da Sociedade Civil na Conferência Rio+20: a Cúpula dos Povos

Coordenação: Representantes do Movimento Negro no Grupo de Articulação (GA)                         do Comitê Facilitador da Sociedade Civil Brasileira para a Rio +20:
              Kika de Bessen, da Coordenação Nacional de Entidades Negras                   (CONEN)
              Ronaldo dos Santos, da Coordenação Nacional de Quilombos                       (CONAQ)


12:00h às 14:00 - Almoço

14:00 às 18:00h – Encaminhamentos políticos e organizativos
·         Aprovação da Declaração do Movimento Negro Brasileiro
·         Organização do Movimento Negro para a Cúpula dos Povos e a Rio +20

Coordenação do Comitê Facilitador do Movimento Negro Brasileiro para a Rio +20:
              Cláudio Humberto, Damião Braga e Yedo Ferreira, militantes do
              movimento negro do Rio de Janeiro;
              Edson França, da União de Negros pela Igualdade (UNEGRO);
              Ronaldo Santos,da Coordenação Nacional de Quilombos (CONAQ);
              Sandra Mariano, da Coordenação Nacional de Entidades Negras                   (CONEN).
             

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Palestra "Etnografia, feitiçaria e religiosidade africana e afro-brasileira" - BA

 (Clique na imagem para ampliá-la)

Filme "Terra vermelha" será exibido hoje no ISC/UFBA - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

Ciclo de palestras do Steve Biko - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Noite dos Tambores - SP

(Clique na imagem para ampliá-la)

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Curso aborda músicas senegalesas - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

terça-feira, 24 de abril de 2012

Exposição fotográfica "Terreiros de Praia Grande em Ilha de Maré: imagens do campo" - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

CEAO/UFBA promoeve curso "Estudos de Cultura Material como Estudos de Museus" - BA

Oficina/Curso: Estudos de Cultura Material como Estudos de Museus
Professor: Dr. José Neves Bittencourt (UFOP)
Quando: 25 e 26 de abril de 2012
Onde: Ceao – Pç. Inocêncio Galvão, 42, Largo Dois de Julho
Duração: 16 horas
Público alvo: alunos de museologia e profissionais do campo museal
N° de vagas: 40

Confira o programa do curso

Livro "A especificidade da ação afirmativa no Brasil"

A problemática das desigualdades étnicorraciais sempre esteve presente no pensamento social brasileiro. O final da década de 90 marca um momento de inflexão, quando o Programa Nacional dos Direitos Humanos reconheceu a existência do racismo e da discriminação no Brasil e “acenou” para a possibilidade de criação de políticas específicas para reverter essas desigualdades historicamente construídas. Esta obra descreve de forma sintética as principais interpretações sobre as relações raciais no Brasil e discute a implementação das chamadas ações afirmativas no Brasil, levando em consideração as especificidades de nossas relações raciais.

Sobre o autor:
Márcio Mucedula Aguiar é doutor em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos e trabalha como professor desde 1998. Atuou em várias instituições de ensino superior nos cursos de Direito, Administração, Filosofia, dentre outros. Atualmente é professor adjunto no curso de Ciências Sociais da UFGD e desenvolve atividades de pesquisa e extensão nas áreas de relações raciais; história do Movimento Negro; ações afirmativas e políticas públicas de combate ao racismo e discriminação na educação.

Livro "Terra indígena Buriti: perícia antropológica, arqueológica e história sobre uma terra terena na Serra de Maracaju, Mato Grosso do Sul"

A obra consiste na publicação de um laudo judicial produzido em 2003, cuja execução foi determinada pela Justiça Federal em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. O trabalho apresenta o resultado da primeira pesquisa realizada conjuntamente entre Jorge Eremites de Oliveira e Levi Marques Pereira, à época docentes da UFMS – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Neste estudo os autores concatenam procedimentos teórico-metodológicos comuns aos campos da antropologia sociocultural, arqueologia e história, com vistas ao esclarecimento de uma série de quesitos apresentados pelo Juízo e pelas partes envolvidas no litígio pela posse de terras na região serrana de Maracaju.

Sobre o autores:
Jorge Eremites de Oliveira é doutor em História (Arqueologia) pela PUCRS – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, com estágio de pós-doutorado em Antropologia Social pelo Museu Nacional, UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Levi Marques Pereira é doutor em Ciências (Antropologia Social) pela USP – Universidade de São Paulo, com estágio de pós-doutorado em Antropologia Social pela UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas.

Ambos os autores são sul-mato-grossenses e professores da UFGD – Universidade Federal da Grande Dourados, onde no momento estão vinculados ao curso de graduação em Ciências Sociais e aos programas de pós-graduação em Antropologia e História. Juntos têm produzido e publicado vários estudos desde 2003. Fazem parte ainda do corpo de pesquisadores do ETNOLAB – Laboratório de Arqueologia, Etnologia e Etno-história, também pertencente à UFGD.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Defesas de Mestrado do POSAFRO/UFBA - BA

(Clique nas imagens para ampliá-las)

Defesa de mestrado "A Criação do Centro de Educação e Cultura Indígena (Ceci) e a Educação Infantil Indígena na Aldeia Crucutu", de Edna Ferreira - SP

Convido a tod@s para a defesa da minha dissertação de mestrado que ocorrerá nesta 6ª feira,dia 27 de abril às 14:00hs, no Programa EHPS ( Educação, História, Politica,Sociedade) na PUC/SP. 

Prof.orientador: Carlos Giovinazzo Junior (PUC/SP) 
Banca examinadora: Profª Carmem Junqueira - Titular (PUC/SP) 
Profª Marília de Godoy - Titular ( USM/SP) 
Profª Circe Bittencourt - Suplente (PUC/SP) 
Profª Maria Leticia Nascimento - Suplente ( USP)

Título: " A criação do Centro de Educação e Cultura Indígena (CECI) e a educação infantil indígena na aldeia Krukutu." 

RESUMO 
Esta pesquisa analisa a educação escolar infantil indígena na aldeia Krukutu, Guarani Mbya, localizada na região de Parelheiros, zona sul do município de São Paulo por meio da implantação do CECI (Centro de Educação e Cultura Indígena). Objetivou-se examinar os desafios presentes na busca por uma educação diferenciada e intercultural, bem como as possíveis contribuições para a educação escolar não indígena. A análise fundamenta-se na noção de “fronteira”, no campo social e pedagógico, entendendo-a como um espaço de contato e intercâmbio entre populações, em que conhecimentos e tradições têm a possibilidade de ser reforçados, repensados e ressignificados, bem como espaço em que a cultura oral e a linguagem escrita se encontram e se desencontram, com a possível evidenciação das diferenças étnicas e de modos de ser e viver. Para realizar tal análise foi situada a relação entre educação indígena e educação escolar, com enfoque na educação infantil, o processo histórico da criação dos CECIs, suas finalidades e organização, a construção de uma concepção curricular e as práticas pedagógicas realizadas no CEII (Centro de Educação Infantil Indígena), vinculado ao CECI Krukutu, bem como as concepções de criança, educação e educador do povo Guarani Mbya da aldeia Krukutu. Na pesquisa foram realizadas entrevistas com lideranças, pais, crianças e funcionários que trabalham no CECI Krukutu. Outras fontes selecionadas foram documentos relativos à educação escolar indígena, à educação escolar infantil indígena e não indígena, o projeto pedagógico e regimento do CECI. Por meio da análise das entrevistas foi possível observar a importância dada por todos à educação escolar infantil indígena, à escola, bem como o interesse que ela se fortaleça, com sugestões para que isso ocorra. 
Palavras-chave: Educação Escolar Infantil Indígena, CECI, Educação Guarani Mbya, Educação Intercultural, Fronteira étnica e cultural.

sábado, 21 de abril de 2012

Emanoel Araújo convida: Exposição Uma viagem pela cultura dos Hereros - RJ

Exposição Rio Uma viagem pela cultura dos Hereros 
Museu Histórico Nacional Até 08 de julho - de 3ª a 6ª feira - das 10h às 17h30. 
Sábados, domingos e feriados - das 14h às 18h Ingressos - R$ 6 / R$ 3 e isenções 
Praça Marechal Âncora - Próximo à Praça XV Centro - Rio de Janeiro - RJ 
Informações: 21-2550-9220 / 21-2550-9224

Rio - Exposição revela cotidiano de etnia africana pelo olhar de fotógrafo brasileiro 

Uma viagem pela cultura dos hereros, mais antigo grupo étnico do Continente Africano, pode ser feita até o dia 8 de julho pelos visitantes do Museu Histórico Nacional (MHN), no Rio de Janeiro. Aberta ao público na sexta-feira (13/04/2012), a exposição Hereros – Angola, apresenta 120 imagens, em diversos formatos, de autoria do fotógrafo e publicitário Sérgio Guerra, acompanhadas de uma cenografia rica em vestimentas, adereços e objetos de uso tradicional da etnia. A mostra é o resultado da paixão que o pernambucano Sérgio Guerra adquiriu por Angola, onde viveu por mais de 15 anos, desenvolvendo um projeto de comunicação para o governo daquele país. Nas viagens que fez, testemunhou momentos decisivos da luta pela paz e reconstrução de uma nação devastada por anos de guerra civil. [...] Os hereros fazem parte do grupo étnico banto e hoje se distribuem em três países: Namíbia, Botsuana e Angola, onde chegaram por volta do século 15 e ocupam uma região semidesértica, de pastagens naturais. Historicamente nômades, dedicados à pecuária, foram forçados pelas autoridades coloniais portuguesas a trocar o gado e o nomadismo pela agricultura e a vida sedentária. Com a independência do país, retomaram suas tradições ancestrais. Na vizinha Namíbia, a resistência dos hereros à escravidão e à dominação da então colônia pela Alemanha acabou fazendo deles vítimas de um genocídio. Em 1904, o general alemão Lothar von Trotha ordenou o extermínio de 80% dos hereros. [...] A exposição tem curadoria do artista plástico e museólogo Emanoel Araújo, idealizador e diretor do Museu AfroBrasil, de São Paulo. A visitação é de terça-feira a sexta-feira, das 10h às 17h30, e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 18h. Os ingressos custam R$ 6, mas alunos da rede particular de ensino, portadores de necessidades especiais e seu acompanhante, e brasileiros de 60 anos a 64 anos pagam a metade. Estão isentos do pagamento, mediante comprovação, alunos e professores da rede pública de ensino, brasileiros maiores de 65 anos, crianças até 5 anos, guias de turismo e estudantes de museologia. 

Para mais: Museu Histórico Nacional - MHN

FONTE: Memória Lélia Gonzalez

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Estão abertas as inscrições para o edital Memória do Mundo da Unesco (MOW) – Brasil 2012

Patrimônio Documental

O Comitê Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da Unesco – MOWBrasil – informa que até o dia 6 de julho próximo estará recebendo candidaturas de acervos documentais do país à nominação no Registro Memória do Mundo do Brasil para o ano de 2012. O Comitê foi criado pelo Ministério da Cultura, em setembro de 2004, e aos seus membros competirão o exame, o julgamento e a aprovação das candidaturas.  O objetivo é identificar o patrimônio documental brasileiro à certificação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Registro Memória do Mundo do Brasil.
O Comitê Nacional do Brasil acolhe candidaturas de entidades públicas ou privadas, bem como de pessoas físicas detentoras de documentos de valor inquestionável e excepcional para a memória coletiva da sociedade brasileira. Podem ser documentos textuais (manuscritos ou impressos), audiovisuais (vídeos, filmes e registro sonoro), iconográficos (fotografia, gravura e desenho) ou cartográficos (em suporte convencional ou digital).
O formulário de inscrições e anexos devem ser encaminhados ao Arquivo Nacional -  Divisão de Protocolo e Arquivo, Praça da República, 173 – Centro -, Rio de Janeiro, RJ, Cep 202111-350 , direcionados ao Comitê Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da Unesco – MOW Brasil , Candidatura à Nominação no Registro Memória do Mundo do Brasil – 2012.
 
Resultado da seleção
Serão aceitas até dez candidaturas à certificação, podendo o comitê reduzir o número de indicados, caso não haja o número suficiente de candidatos que atendam às exigências do edital. O resultado da seleção deverá ser divulgado até o dia 24 de setembro de 2012, no hall principal do edifício-sede do Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro, e estará disponível no portal da instituição, na internet, seção Memória do Mundo.
As ações do Comitê Nacional do Brasil visam à valoração e à difusão do patrimônio documental brasileiro, bem como a sensibilização do poder público e das agências de fomento com vistas à implementação de políticas de preservação e acesso à documentação. O Programa Memória do Mundo da Unesco reconhece patrimônios documentais de significância internacional, regional e nacional, mantém o seu registro e lhes confere um certificado que os identifica.
A certificação no Registro Memória do Mundo Brasil não implica em nenhum compromisso da Unesco em destinação de recursos financeiros ou de outra natureza aos proprietários ou custodiadores dos acervos nominados.
O Programa facilita também a preservação e o acesso a este Patrimônio, sem discriminação, além de trabalhar para despertar a consciência coletiva do patrimônio documental da humanidade. É uma ação que visa a preservaçâo da memória que se encontra na maior parte em bibliotecas, museus e arquivos existentes em todo o planeta e está sujeita aos danos causados por guerras, deslocamento acidental, pela deterioração e destruição.
 
Comitê Nacional
O MinC criou o Comitê Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da UNESCO – MOW Brasil por meio da Portaria nº 259, de 2 de setembro de 2004.  Desde a sua instalação oficial, em 2007, o Comitê lançou cinco editais de nominação ao Registro Memória do Mundo do Brasil, dos quais resultaram quarenta e cinco acervos documentais nominados. Dentre eles constam o arquivo do Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul (CLAMOR), localizado em São Paulo; o arquivo Guimarães Rosa (SP); e o acervo Documental da Guerra do Paraguai, localizado no Rio de Janeiro.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Palestra "HIP-HOP e Diáspora Africana" - BA

O Centro de Estudos Afro-Orientais (FFCH-UFBA) promove, na próxima quinta-feira, 19 de abril, às 18:30 horas, a palestra Global HIP-HOP e a Diáspora Africana: Brasil e Cuba, que será proferida pela Professora Ph.D Halifu Osumare, Diretora do Programa de Estudos Africanos e Afro-americanos (University of California).

A palestra, aberta ao público e com tradução, será realizada no Auditório Milton Santos do CEAO, Pç. Inocêncio Galvão, 42, Largo 2 de Julho.

Mais informações: (71) 3283-5502/ 5512 | ceao@ufba.br

Cabelaço na UFBA - BA

OBSERVATÓRIO MANDINGA
“Cabelaço” 

Tendo em vista o racismo na Sociedade Brasileira, em especial na Baiana e na Faculdade de Educação da UFBA, a representação discente da graduação de Pedagogia realizará no próximo dia 18/04 (Quarta-Feira) um ato público intitulado CABELAÇO que se caracteriza como uma manifestação política e intervencionista que contará com: Aula, Oficina de Penteados, Grafitagem, Música, Capoeira, Exposições, Poesia.

O Diretório Acadêmico de Pedagogia da FACED conta com o apoio da linha de pesquisa ACHEI (Redpect), do grupo de pesquisa GRIÔ, além de estudantes da graduação e pós-graduação da UFBA, contando ainda com apoio e solidariedade de professores imbricados em ações contra as diversas formas de discriminação racial.

O ATO CABELAÇO dará início ao OBSERVATÓRIO MANDINGA que tem o intuito de monitorar e atuar contra ações discriminatórias na UFBA.

Convidamos a todas e todos a estarem presentes e atuantes nesse ato. Venha e traga sua energia, participe e faça parte também dessa luta contra a Discriminação Racial.

O que: Ato Público- “CABELAÇO”
Onde:  FACED (Faculdade de educação).
Data e Horário: 18/04 a partir das 08:00h
Realização: Diretório Acadêmico de Pedagogia / UFBA
Apoio: ACHEI / GRIÔ / Estudantes da Graduação e Pós-Graduação

domingo, 15 de abril de 2012

MinC e Seppir lançam o Programa Pontos de Leitura da Ancestralidade Africana no Brasil

O Ministério da Cultura (MinC), em parceria com a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (Seppir/PR), lança amanhã (12), no Rio de Janeiro, o Programa Pontos de Leitura da Ancestralidade Africana no Brasil. A cerimônia será realizada no auditório Machado de Assis, da Fundação Biblioteca Nacional (FBN), às 19h. O novo programa é uma ação transversal dentro do MinC e conta com apoio da FBN – Programa Livro, Leitura e Literatura e do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP) – e da Secretaria de Cidadania Cultural. Participarão da cerimônia o presidente da FBN, Galeno Amorim, a secretária de Cidadania Cultural do MinC, Márcia Rollemberg, a secretária de Políticas para as Comunidades Tradicionais da Seppir, Silvany Euclênio, e a diretora do Livro, Leitura e Literatura da FBN, Maria Antonieta Cunha. Serão lançados dez Pontos de Leitura Afros em todo o país, dois em cada uma das cinco regiões brasileiras. O programa conta com um acervo suplementar composto por mais de 600 livros relacionados à cultura de matriz africana, além do Kit tradicional dos Pontos de Cultura, que contêm 650 livros, mobiliário para sala de leitura, um computador e impressora.
3Os dez primeiros Pontos de Leitura Afros serão instalados na Comunidade Egbe Ilê Ya Omi Dayol Ase Obalayo, em São Gonçalo (RJ); no Centro Memorial de Matriz Africana 13 de Agosto, em Porto Alegre (RS); na Comunidade Quilombola Mesquita, em Luziania (GO); Quilombo do Curiaú AP); Associação Santuário Sagrado de Pai João de Aruanda, em Teresina (PI); Comunidade Ilê Asé Omi Dewá, em João Pessoa (PB); Comunidade Aceyoni, em Belém (PA); Quilombo do Macucu, em Minas Novas (MG); Comunidade Quilombola Serra do Apom, em Castro (PR); e na Comunidade Ilê Ede Dudu – Centro Cultural Orunmila, em Ribeirão Preto (SP). A Secretaria de Cidadania Cultural do MinC vai apoiar o programa com R$ 300 mil, que serão aplicados no trabalho de produção e registro da memória destas comunidades. A pesquisa será realizada pela equipe do SNBP, da FBN, que visitará todas as localidades para obter informações. O resultado do trabalho será incorporado ao acervo dos Pontos de Leitura. A Seppir/PR vai financiar a compra do acervo temático, no valor de R$ 200 mil.

Cooperação O Programa Pontos de Leitura da Ancestralidade Africana no Brasil faz parte de um acordo de cooperação firmado entre a FBN/MinC e a Seppir, no âmbito da campanha Igualdade Racial é pra Valer. Outras ações estão contempladas a exemplo da co-edição, em formato eletrônico e para domínio púbico, de obras do acervo da FBN, escritas por autores afrodescendentes. Para cada iniciativa proposta, será assinado um termo de cooperação específico. O primeiro deles prevê a implantação em áreas habitadas por povos e comunidades tradicionais afro-brasileiras, dos cinco Pontos de Leitura. A cooperação entre os dois órgãos prevê ainda o lançamento de editais para estudos e pesquisas ligados ao trabalho de homens e mulheres negros brasileiros. Outra meta é a divulgação da literatura de autores afro-brasileiros por meio de amostras, envio de livros para bibliotecas e ações de incentivo à leitura.

Ascom MinC
Disponível em: SEPPIR

Abertas inscrições para programa de bolsas de iniciação científica nas Ações Afirmativas

Estão abertas as inscrições para o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica nas Ações Afirmativas - Pibic-Af. Nessa 4ª edição do programa serão distribuídas pelas instituições públicas de ensino superior participantes o total de 800 bolsas, de 12 meses cada, para estudantes de graduação. O Pibic-AF é uma parceria entre a SEPPIR e o CNPq que vem sendo realizada desde 2009 e tem como missão complementar as ações afirmativas já existentes nas instituições públicas de pesquisa e ensino superior. A ideia é ampliar a participação dos beneficiários de políticas de ação afirmativa em atividades acadêmicas, em especial as que são destinadas à correção das desigualdades raciais. A inscrição pode ser feita na página do CNPq, e podem participar instituições públicas que já participem do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – Pibic ou do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação – Pibiti, e que possuam ações afirmativas para a promoção de igualdade de oportunidade para o ingresso de estudantes no Ensino Superior.  
 
Fonte: SEPPIR

sábado, 14 de abril de 2012

Etnicidades promove minicurso "Negros caminhos da Literatura: desafios e perspectivas pedagógicas" - BA

O Grupo de pesquisa EtniCidades convida  todas e todos  para participar de mais um evento. 


MINI-CURSO NEGROS CAMINHOS DA LITERATURA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS PEDAGÓGICAS


ONDE: Centro de Estudos Afro-Orientais (CEAO/UFBa)
QUANDO: 9, 10 e 11 de Maio
HORÁRIO: das 18:30 às 20:30h

ABORDAGENS:

  • Literaturas Brasileira e Afro-brasileira;
  • Literatura Infantojuvenil;
  • Análise de livros didáticos.

INSCRIÇÕES*
Envie e-mail para o seguinte endereço:
Valor: R$ 10,00
*Vagas limitadas!

Organização: Grupo EtniCidades.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

6º Prêmio Educar para a Igualdade Racial


UFS promove curso "Literatura Afro-brasileira" - SE

(Clique na imagem para ampliá-la)

O curso pretende situar alguns estudos da literatura afrobrasileira no contexto da literatura brasileira, através da utilização da lírica contemporânea produzida pelos autores e autoras afrobrasileiros como meio de expressão artística e, sobretudo, de crítica às relações etnicorraciais no Brasil. Ao ressaltar a importância do caráter da poesia com determinada finalidade social, destaca-se a produção textual afrobrasileira como um modo de organização discursiva capaz de intervir e ressignificar sentidos para as políticas culturais da diferença, prioritariamente, pensadas a partir da diversidade cultural e da igualdade de direitos.


PROGRAMAÇÃO (Manhã)
07/05/2012
09:00/09:30 - Credenciamento
09:30/11:00 - Leitura/ discussão do programa do curso e introdução ao caráter social e filosófico da poesia moderna.
11:15/12:15 - A poesia lírica moderna e contemporânea: aproximações e divergências.
08/05/2012
09:00/11:00 - O que é literatura negra?/ O que é poesia negra?
11:15/12:15 - Discutir a relevância dos conceitos de literatura e poesia negra no âmbito da literatura brasileira.
09/05/2012
09:00/ 11:00 - Apresentação de algumas das produções textuais da literatura afrobrasileira.
11:15/ 12:15 - Aspectos da poesia lírica contemporânea afrobrasileira (1ª parte).
10/05/2012
09:00/ 11:00 - Aspectos da poesia lírica contemporânea afrobrasileira (2ª parte)
11:15/ 12:15 - Leitura e análise de poemas líricos modernos e contemporâneos  de escritores e de escritoras  dos Cadernos Negros.
11/05/2012
09:00/ 11:00 - Cont. Leitura e análise de poemas líricos modernos e contemporâneos de escritores e de escritoras dos Cadernos Negros.
11:15/ 12:15 - Atividades práticas e avaliação do curso.

PROGRAMAÇÃO (tarde)
07/05/2012
14:00/ 14:30 - Credenciamento
14:30/ 16:00 - Leitura/ discussão do programa do curso e introdução ao caráter social e filosófico da poesia moderna.
16:15/ 17:15 - A poesia lírica moderna e contemporânea: aproximações e divergências.
08/05/2012
14:00/ 16:00 - O que é literatura negra?/ O que é poesia negra?
16:15/ 17:15 - Discutir a relevância dos conceitos de literatura e poesia negra no âmbito da literatura brasileira.
09/05/2012
14:00/16:00 - Apresentação de algumas das produções textuais da literatura afrobrasileira.
16:15/ 17:15 - Aspectos da poesia lírica contemporãnea afrobrasileira (1ª parte)
10/05/2012
14:00/ 16:00 - Aspectos da poesia lírica contemporânea afrobrasileira. (2ª parte)
16:15/ 17:15 - Leitura e análise de poemas líricos modernos e contemporâneos de escritores e de escritoras dos Cadernos Negros.
11/05/2012
14:00/ 16:00 - Cont. Leitura e análise de poemas líricos modernos e contemporâneos de escritores e de escritoras dos Cadernos Negros.
16:15/ 17:15 - Atividades práticas e avaliação do curso.

Público Alvo

Alunos universitários e professores de escolas públicas no Estado.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Mini-curso "A vida social das coisas africanas: Objetos e significados nos Museus de Arte e Culturas Africanas" - BA

CEAO - Centro de Estudos Afro-Orientais

Mini-curso "A vida social das coisas africanas: Objetos e significados nos Museus de Arte e Culturas Africanas"
Professor: Dmitri van den Besselaar (U. de Liverpool)
Tradutor: Livio Sansone
Local: Auditório Milton Santos, CEAO/UFBA.
Horário: 17h30 às 20h30.
Inscrições gratuitas: fabricadeideiasufba@gmail.com
Informações: (71) 3322-6813

Programação:
30 Abril 2012
Introdução: Histórias da coleta em Europa e África
(Caso: coletando objetos na África Ocidental para o museu de Liveroool (coletando o império)
Texto: Zachary KIngdon and Dmitri van den Bersselaar, ‘Collecting Empire? African Objects, West African Trade and a Liverpool Museum’ in: Nick White, Sheryllynne Haggerty and Anthony Webster, eds., The Empire in One City? Liverpool’s Inconvenient Imperial Past (Manchester, 2008), pp. 100-122

2 Maio 2012
Estrategias expositivas: para além do Império nos museus europeus
(Casos: comparando o Afrika-Museum in Tervuren (Belgium), o Musee du Quai Branly (Paris) e o World Museum (Liverpool)
Texto: Henrietta Lidchi, ‘The poetics and the politics of exhibiting other cultures’ in: Stuart Hall, ed., Representation. Cultured Representations and Signifying Practices (London, 1997) pp. 151-222

3 Maio 2012
A representação da escravidão e da trata
(Casos: comparando o International Slavery Museum de Liverpool e o Slavery Museum em Badagry, Nigeria).
Texto:TBC

4 Maio 2012
Outras histórias: o sentido local dos obejtos na África.
(Caso: exibicão sobre o Gin em Ghana no Jenevermuseum em Schiedam, Países Baixos)
Texto: Dmitri van den Bersselaar, ‘Modernity Rejected? Marketing Schnapps Gin in West Africa, 1945-1970’, Lagos Notes and Records 12 (2006), pp. 43-66

7 Maio 2012
Arte Africana e a galeria de arte
(Casos: comparando Africa Remix (Hayward Gallery) e Afro-Modern (Tate Liverpool))
Discussão conclusiva
Texto: Tanya Barson, ‘Introduction: Modernism and the Black Atlantic’ in: Tanja Barson and Peter Gorschlüter, eds, Afro-Modern: Journeys Through the Black Atlantic (Liverpool and London, 2010), pp. 8-25.

A literatura será disponibilizada on line em breve para todos os inscritos

Palestra "Tráfico de escravos e etnicidade: capitães negreiros africanos na Bahia do século VIII (1700-1760)" - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Mobilização da Frente Nacional em Defesa da Titulação dos Territórios Quilombolas

RELEASE: MOBILIZAÇÃO DA FRENTE NACIONAL EM DEFESA DA TITULAÇÃO DOS TERRITÓRIOS QUILOMBOLAS EM BRASÍLIA – CONTRA A APROVAÇÃO DA ADI 3239, DO DEM, QUE QUESTIONA A CONSTITUCIONALIDADE DO DECRETO DO EXECUTIVO 4887 – DE DISCIPLINAMENTO DAS TITULAÇÕES DOS QUILOMBOS.

No dia 18 de Abril o STF deverá votar ao ADI 3239 do DEM, contra o Decreto 4887, que disciplina as titulações dos territórios quilombolas.

Atualmente, são mais de 5000 comunidades se reivindicam quilombolas em todo o país. Comunidades que ao longo dos quase 400 anos de escravismo e nos últimos 124, após a abolição, resistem bravamente às investidas brutais e criminosas, dos escravistas, dos latifundiários, e agora dos ruralistas do agronegócio exportador, das madeireiras, das mineradoras, do próprio estado brasileiro, dos governos estaduais e municipais.
A questão fundiária no Brasil sempre foi tratada pelas oligarquias rurais e agrárias e pelos governos de forma reacionária, um tabu imexível, na perspectiva de mantê-los no controle dessas propriedades, cada vez maiores, através da grilagem, expulsão, atentados e assassinatos de lideranças quilombolas, indígenas, de sindicalistas e pequenos camponeses, de trabalhadores rurais sem terra, ambientalistas e religiosos solidários, sem que os governos lhes garantam a proteção de direito.
Nos dias 14 e 15 de Abril, acontecerá o Seminário da Frente Nacional em Defesa da Titulação dos Territórios Quilombolas, na CONTAG em Brasília, para discutir as formas de mobilização e de organização da Frente. Nos dias 16 e 17, os quilombolas participarão de um mutirão de pressão sobre o executivo e o legislativo, e no dia 18, de um grande ato em frente do STF, pela rejeição da ADI do DEM e dos ruralistas.
O desenvolvimento sustentável do Brasil, com respeito a natureza, passa pelo reconhecimento e preservação dos territórios das comunidades quilombolas, indígenas e tradicionais. Passa pela democratização do acesso e a garantia de posse da terra a quem nela vive e produz, diminuindo assim a pressão sobre os grandes centro urbanos, aumentando e barateando a oferta de alimentos saudáveis (o produzido pelo agronegócio é puro veneno, utilizam de defensivos agroquímicos em grande escala),
Trata-se também de uma questão de justiça e cidadania pois lança as bases de um Projeto Político de Nação (inexistente no Brasil até hoje), incluindo-os e garantindo seus direitos, enquanto brasileiros, bem como a segurança (de morar, produzir, criar seus filhos, educar, viver e praticar a sua cultura em paz, sem sofrer a violência das elites) destes seguimentos rurais tão vilipendiados e violentados em seus direitos enquanto brasileiros nos últimos 05 séculos.
Milhares de militantes, de todo o Brasil, estão se dirigindo pra Brasília. Temos por enquanto, a confirmação dos quilombolas da Frente Nacional em Defesa da Titulação dos Territórios Quilombolas dos estados do MA, RS, BA, GO, MG, SC, PA, RJ, DF. Centenas de lideranças e entidades do MN brasileiro também estão dirigindo-se a Brasília em apoio, enquanto muitas organizações quilombolas e do MN, farão vigílias e manifestações em suas próprias cidades e estados.

Inscrições abertas para curso de iorubá - BA

Já estão abertas as inscrições para o curso de iorubá. As aulas começam no dia 18 de abril e serão ministradas pelo professor Ajayi Adekanye nas terças, das 18h30 às 20h30. Os interessados devem ir à Secretaria do CEAO, das 9h30 às 13h, para fazer a inscrição. Mais informações pelo telefone: (71) 3283-5502.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Programação do lançamento do Instituto Odara - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

Seminário de Pesquisadores Negros do Nordeste - BA

TEMA
CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO NORDESTE: A SAÍDA DA CRISE

REALIZAÇÃO
COORDENAÇAO DO NORDESTE DA ASSOCIACAO BRASILEIRA DE PESQUISADORES NEGROS.


APOIOS
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – FAPESB
Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS
Associação de Pesquisadores Negros da Bahia – APNB
Centro de Estudos e Desenvolvimento Interdisciplinar – CEDIC


Introdução

A inovação tecnológica é a principal possibilidade de saída da crise que se encontra a sociedade brasileira. Poderíamos tomar de empréstimo as palavras da Presidenta Dilma Roussef, proferida por ocasião da entrega do “Premio Jovem Cientista” : “Sem investimento em ciência e tecnologia não há solução”.
O Brasil ocupa uma posição atrasada quer seja em ciência quer seja em tecnologia. Isto pode ser verificado não só pela posição que nossas principais academias ocupam nos diversos “ranking” mundiais, mas acima de tudo na composição de nossa pauta de importação. Somos campeões na exportação de produtos primários ou semiindustrializado. A posição do país revela uma profunda disfunção de nosso sistema de ciência e tecnologia.
A distribuição desiguais dos recursos aplicados em ciência e tecnologia entre as regiões brasileira, ficando o Nordeste na posição de primo pobre na distribuição de recursos de ciência e tecnologia, pode estar na base desta disfunção. Esta desigualdade desafia manifesta vontade politica de modificá-lo , esta distribuição desigual prejudica todo o país. E não facilita o avanço dos centros acadêmicos que são privilegiados, ditos de “excelência” .
A Associação Brasileira de Pesquisadores Negros, dentro do que estabelece seus documentos básicos, tem o dever de defender e zelar pela manutenção da Pesquisa com financiamento Público e dos Institutos de Pesquisa em Geral, propondo medidas para seu aprimoramento, fortalecimento e consolidação e propor medidas para a política de ciência e tecnologia do País.
É com espirito de contribuição com estes preceitos básicos que a Coordenação Nordeste da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros, propôs a realização do “Seminário de Pesquisadores Negros do Nordeste”.


Comitê Cientifico

Dra. Florentina da Silva Souza
Dra. Maria de Lourdes Siqueira
Dr. Nilo Rosa dos Santos
Dra. Rosemere Ferreira da Silva
Ms. Romilson Silva Sousa
Comissão organizadora.

Nilo Rosa dos Santos
Rosemere Ferreira da Silva
Guacira Cavalcante Oliveira
Romilson Silva Sousa
Lilian Almeida dos Santos


Objetivos

Reunir pesquisadores negros do Nordeste com objetivo de discutir as condições atuais das pesquisas no Brasil de forma geral e no Nordeste de forma particular, tendo em vista apresentar propostas que possam contribuir para a reversão do quadro de desigualdade regional de produção de ciência e tecnologia; bem como tirar o país do atraso tecnológico em que se encontra.

Incentivar a formação de outras associações de pesquisadores negros nos demais estado do Nordeste da federação;

Tendo em vistas estes objetivos, o SEPENN procura reunir professores, pesquisadores e estudantes de graduação.


FORMAS DE PARTICIPAÇÃO

O seminário será aberto å participação de todos os interessados no desenvolvimento da ciência e pesquisa no Brasil e no Nordeste. Não haverá cobrança de inscrição para os trabalhos apresentados.

Os participantes enviarão trabalhos escritos abordando a temática do seminário, qual seja: “O estado da pesquisa no Nordeste: pesquisa e recursos”. Os trabalhos nao serão apresentados durante o Seminário. Constituirão os produtos finais do Seminário.


PRODUTOS

Os trabalhos aprovados serão publicados nos anais. Os textos, após analise do Comitê Cientifico, poderão ser incluídos no livro a ser publicado pelos organizadores do seminário. Este livro será lançado no IV Congresso Baiano de Pesquisadores Negros, que será realizado em 2013

Os textos selecionados pela Comitê Cientifico serão publicados em livro publicado com textos exclusivo dos textos do seminário.


ENVIO DOS TRABALHOS

Os trabalhos serão aceitos a partir do dia 01 de abril até 31 do mesmo mês. Deverao ser enviados pelo email: sepennor@gmail.com


Normas para aceitação de trabalhos para publicação

Tipo de fonte: Times New Roman.
Margens:
Superior: 2,5cm; Inferior: 2cm; Esquerda: 2,5cm; Direita: 2cm
Espaçamento: Entrelinhas e entre parágrafos :1,5
Parágrafos: Justificados, com recuo de 1,25 cm e sem espaços entre os parágrafos. Iniciar sempre o parágrafo com uma tabulação para indicar o início (apor um recuo no começo do parágrafo).
Numeração de páginas: No canto superior direito iniciando na introdução do trabalho.
Tamanho da fonte:
No título do artigo (em letras maiúsculas) = 12.
No nome do autor = 10, com espaçamento simples.
Na titulação (nota de rodapé) = 10, com espaçamento simples.
Resumo

Deve ser apresentado na primeira pagina em somente em português e digitado em espaço simples, com até 250 palavras, com informações capazes de permitir uma adequada caracterização do artigo.